Friday, January 19

Sexta-feira da Semana II do Tempo Comum


Reflexão
A aliança do Sinai era imperfeita, porque centrava-se na observância de leis exteriores. A Nova Aliança é perfeita porque foi inscrita no coração dos homens e não em tábuas de pedra. A Nova Aliança foi selada entre Deus e o seu Filho Jesus Cristo, com o sacrifício da Cruz, e para sempre.
Com a escolha dos doze, Jesus prepara os pilares do novo Povo de Deus, a sua Igreja, associando-os à sua vida, à sua missão e à sua autoridade e poder. De entre eles, Simão Pedro ocupa o primeiro lugar. Jesus confiou-lhe uma missão única: a de defender esta fé para que nunca desfaleça e de nela confirmar os irmãos.

Thursday, January 18

Quinta-feira da Semana II do Tempo Comum

Cristo não se deixa embriagar pelo entusiasmo das multidões que O procuram, mais pelos milagres do que pela conversão, mais pelo poder de taumaturgo do que pela mensagem de salvação. Em realidade, Ele não veio para os aplausos triunfalistas que tanto almejam os políticos; o seu interesse é anunciar a libertação do reino de Deus.
Por isso o fenómeno da concentração de massas, - Fátima, Lurdes, Roma, Terra Santa, Jubileus, etc. - não é suficiente para uma pertença pessoal à Igreja. Jesus pede mais: uma resposta pessoal de fé e uma adesão efectiva ao Seu próprio projecto salvador.

Tuesday, January 16

Terça-feira da Semana II do Tempo Comum


Reflexão
Jesus intervém com a Sua autoridade messiânica: relativiza a lei intocável do sábado, fazendo com que os seus discípulos participem da Sua liberdade e senhorio, pois a lei fez-se para promover o homem e não para o escravizar. É portanto, o homem que dá valor e medida à lei do sábado, pois a religião verdadeira ou é libertadora do homem ou não é religião. A lei foi dada por Moisés, mas a graça e a verdade só nos vieram por Cristo, que é o sim total a Deus. Assim deverá ser, portanto, o seu discípulo.

Thursday, January 11

Quinta-feira da Semana I do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=1883

Reflexão
Segundo a Bíblia a lepra incluía diversas doenças da pele, além da doença propriamente dita. O leproso era votado à marginalização total, social e religiosa.
Este homem, porém, não se resigna à sua sorte e acode a Jesus. E Jesus cura-o e restitui-o à comunidade de salvação.
A lepra que aflige hoje o homem é todo o submundo da injustiça, da prostituição e da droga.
Perante esta sociedade de consumo que nos oprime e só produz ricos e pobres, o que é que vemos? O descarado passivismo duma sociedade sem alma.

Thursday, January 4

Quinta-feira do Tempo do Natal

Missão cumprida! João dá lugar a Jesus! Onde Deus aparece, o homem deve recolher-se à sua insignificância! Os discípulos foram e viram… e seguiram-no sem condições, convidando também os seus amigos. Seguir a Jesus é uma consequência lógica da nossa filiação divina que se reconhece precisamente pela fidelidade a Deus e aos irmãos.

Wednesday, January 3

Quarta-feira do Tempo do Natal

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=1823

Reflexão
A liturgia de hoje é uma rotunda afirmação da nossa condição de Filhos de Deus. Deus ama-nos com o mesmo amor com que ama a Jesus. É desse amor de adopção que Ele nos faz verdadeiramente filhos e irmãos uns dos outros.
Graças a essa adopção, podemos chamar a Deus por Pai. Esta é uma novidade assombrosa. Os desuses das antigas mitologias jamais se preocupavam em partilhar a sua felicidade com os mortais. Esta, a nossa filiação divina, é a Boa Nova avalizada pelo testemunho da Pessoa de Jesus.
Todo o Evangelho, especialmente o do Tempo do Natal, é a alegre notícia do amor de Deus para connosco. A Encarnação de Cristo põe em acção a maior revolução da História.

Tuesday, January 2

Memória litúrgica de São Basílio Magno e São Gregório Nazianzo



Reflexão
Os discípulos de João conseguiram seguir a Jesus, graças ao testemunho do seu mestre sobre o Messias. Ao vivê-lo comunicam-no aos demais. O testemunho de Cristo e da Boa Nova ainda é o que prevalece. Como João deu testemunho de Jesus, assim o cristão. Ser cristão é ser testemunha de Cristo. Demonstrando com a vida a condição de baptizado. Se encontrámos o Messias, temos de proclamar que Ele continua vivo, no meio de nós.

Thursday, December 28

Festa litúrgica dos Santos Inocentes, mártires


Reflexão
A matança das crianças inocentes enquadra-se bem no carácter brutal de Herodes. Jesus recapitula a história de Israel, e nele se cumprem as escrituras. É evidente o paralelismo entre os meninos de Belém e os primogénitos hebreus sacrificados pelo Faraó. Os inocentes de Belém remetem-nos ao único inocente, o Cordeiro pascal. Na mente de Deus, Jesus é o precursor dos mártires de todos os tempos. Ser cristão autêntico é assumir frontalmente a perseguição, por amor a Cristo, consciente de que há uma linha directa entre o presépio e a cruz.

Tuesday, December 26

Festa litúrgica de Santo Estêvão


Santo Estêvão
Estêvão foi um dos primeiros sete Diáconos escolhidos pelos Apóstolos, com o fim de por eles serem aliviados de tarefas administrativas. Homem cheio do Espírito Santo, não limitou Estêvão o seu diaconado aos serviços caritativos. Com efeito, dedicou-se, com toda a sua alma, à evangelização, tornando-se testemunho de Cristo Ressuscitado. O livro dos Actos dos Apóstolos atribui-lhe um discurso, que, sendo o primeiro ensaio cristão da leitura dos textos do Antigo Testamento em função da vinda do Senhor, servirá de modelo aos primeiros arautos do Evangelho.
Primeiro diácono, foi também o primeiro mártir da Igreja. Cerca do ano 36 da nossa era, com uma morte aceite com as mesmas disposições com que Jesus aceitou a Sua, Estêvão dava o supremo testemunho do Seu amor por Ele.

Thursday, December 21

Quinta-feira da Semana III do Advento

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=1133

Reflexão
Depois de saber que ia ser a mãe de Jesus, Maria põe-se a caminho e vai visitar a sua prima Isabel porque também ela estava para ser mãe. O encontro das duas mulheres é o encontro entre o Messias e o seu precursor. As duas crianças são motivo de alegria para suas mães, mas Jesus revela-se como a razão pela qual o homem exulta de alegria e Maria é reconhecida como bem-aventurada porque acreditou.

Tuesday, December 19

Terça-feira da Semana III do Advento


Reflexão
Uma mulher estéril, esposa de Manoá, recebe a visita do Anjo do Senhor, que lhe anuncia o nascimento de um filho, Sansão. O mesmo acontecerá com Isabel, esposa de Zacarias, que viria a dar à luz João Baptista. João Baptista vai ser enviado a fim de preparar para o Senhor um povo bem disposto. Procuremos melhorar as nossas disposições para recebermos bem o Messias: com alegria, vigilantes na oração e celebrando os seus louvores.

Monday, December 18

Segunda-feira da Semana III do Advento



Reflexão
No evangelho da infância, Mateus dá relevo à figura de José e Lucas à de Maria. Por isso, o rebento de David, chamar-se-á Deus é a nossa justiça. Por isso a acção criadora do Espírito Santo é decisiva para dar passo ao Emanuel, o Deus connosco. O anúncio-revelação do Anjo sossega o espírito de José atribulado pelo estado de gravidez de Maria. Sem ceder à tentação do abandono, José penetra na radiosa obscuridade dos planos de Deus. Por isso ele aparece como modelo bíblico da fé e da fidelidade ao Senhor.

Wednesday, December 13

Memória litúrgica de Santa Luzia


Reflexão
Fazendo-se eco das palavras de Isaías aos israelitas desterrados, Jesus convida todos os afadigados a descansar no Seu coração. Esta mensagem de Libertação e descanso, é a alternativa de Jesus ao jugo insuportável que fariseus e doutores da Lei tinham imposto ao povo. Contra o legalismo atomizado e a casuística implacável, Jesus propõe a lei do Espírito, que é lei de amor.
O amor liberta do egoísmo e das aparências do homem carnal. O grande segredo do cristão é o amor a Deus e aos irmãos. Para aquele que ama, a lei do Senhor é o seu gozo e a sua fortaleza.
O convite de Cristo estende-se para além do cumprimento da simples lei moral. Cansados e sobrecarregados somos nós todos, para quem a vida é um peso permanente. Daí, a necessidade de fazermos uma pausa no caminho e de respondermos ao convite de Cristo, para reparar forças.

Tuesday, December 12

Terça-feira da Semana II do Advento


Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=1753

Reflexão
Isaías é impelido a proclamar a mensagem do perdão. O povo, aflito, escuta a Boa Nova de que Deus perdoa e Ele mesmo acompanhará o seu Povo à Terra Prometida. Este anúncio é já presença criadora de Deus, num mundo em que tudo esmorece e morre.
O Senhor manifesta força, poder e carinho, na procura da ovelha perdida.
Deus ama-nos a todos e avalia o nosso preço pelo Seu próprio Sangue.
Deus prefere a alegria que a conversão de um pecador lhe proporciona, à auto-suficiência de puritanos, senhores doutores, satisfeitos da sua arrogância. Não é verdade que existe ainda a tentação farisaica das grandezas pessoais e da miséria alheia?! O nosso amor deve reflectir sempre o amor misericordioso de Deus, tão longe do orgulho humano.

Wednesday, December 6

Quarta-feira da Semana I do Advento


Reflexão
Os paraísos terrestres tão sonhados pelo homem, são sempre os mesmos: bem-estar, dinheiro e tempo livre. Mas será o homem de hoje mais feliz do que os de outros tempos?
O sonho messiânico fez-se realidade. A multiplicação dos pães é sinal deste sonho messiânico do Reino de Deus e também da Eucaristia. O festim do banquete do Reino é universal, é para todos. No Reino de Deus não há discriminação. Este sonho realiza-se na Pessoa de Jesus. Neste Natal que se aproxima, o nosso compromisso é com os pobres, com os mais carenciados, de tal forma que haja pão para todos.

Friday, December 1

Sexta-feira da Semana XXXIV do Tempo Comum


Reflexão
A figueira é sinal da salvação que traz o Reino de Deus. Assim como os rebentos da figueira anunciam a proximidade da primavera, assim estes acontecimentos são sinal da próxima manifestação do Reino, em Cristo glorioso. O que Cristo parece afirmar é que a sua geração não verá o fim do mundo, mas sim a ruína de Jerusalém e do seu Templo.
O futuro está presente no hoje salvador de Deus. Com isto, Jesus afirma a validez eterna da sua mensagem. Elimina assim a psicose de segurança e a obsessão mórbida pelo quando, como e onde.

Wednesday, November 29

Quarta-feira da Semana XXXIV do Tempo Comum


Reflexão
A perseguição dos discípulos é um sinal precursor da plena manifestação do Reino e, por isso, não devem eles temê-las porque Cristo está com eles.
A fé no Evangelho será ocasião de divisões e maus tratos. Mas Deus tudo dispõe para nosso bem.
O discípulo não é mais do que o Mestre. Por isso, participa do Seu destino. O segredo da sua força e da sua vitória está na comunhão com a Sua Palavra, o Seu testemunho e o Seu Espírito. Todo o que vive segundo os critérios das Bem-aventuranças, entra em ruptura com os critérios do mundo.

Thursday, November 23

Quinta-feira da Semana XXXIII do Tempo Comum


Reflexão
Este texto exclusivo de São Lucas está repassado de profunda e amarga tristeza. Na predição de Jesus sobre a ruína de Jerusalém, cumpre-se o vaticínio profético (Lc 13,35) Lucas gosta dos contrastes frontais: Bem-aventuranças e maldições, ricos e pobres. Hoje brinda-nos outro contraste: à entrada triunfal em Jerusalém, seguem-se as lágrimas sobre a cidade.
Jesus chora por aquele povo que não reconhece a visita de Deus, na Pessoa do Seu Filho.
Jerusalém é bem o símbolo de todos quantos se recusam à conversão.
O tempo da visita de Deus, é o Senhor que vem fazer justiça ao pobre e oprimido. É a ideia central do Benedictus e do Magnificat.
Aqui também se pode ver o castigo da impenitência, concretizado em Jerusalém e no povo judeu. O Reino de Deus, o Evangelho e a Igreja, abrir-se-ão, por isso, a todos os povos. Uma nova casa nascerá para todos.

Monday, November 20

Pensamento do dia: 20-11-2017

Cego é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria. Surdo é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. (Mário Quintana)

Segunda-feira da Semana XXXIII do Tempo Comum





Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=1734

Reflexão
Correr atrás duma novidade, sempre foi tentação. A cura do cego prefigura a cura da fé dos discípulos de todos os tempos. A primeira comunidade cristã viu nesta cena o esquema básico duma catequese baptismal: pressentir a presença de Deus; vencer os obstáculos; romper com o passado; comprometer-se a fundo; contacto com Cristo, mediante a visão da nova fé; seguir a Cristo, como testemunha do seu Reino.