Monday, August 7

Segunda-feira da Semana XVIII do Tempo Comum


Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=1618

Reflexão
Jesus teve compaixão da multidão e para alimentá-la multiplicou os pães e os peixes, na perspectiva do reino de Deus. Na fome da multidão espelha-se a longa noite de espera pela liberdade messiânica. Quatro quintos da humanidade passa fome. A miséria, património quotidiano do mundo subdesenvolvido, está à espera dum grito de libertação. O lema da Igreja é a opção fundamental pelos pobres, na fidelidade a Cristo. Em cada missa celebramos a multiplicação dos pães.

Friday, August 4

Memória litúrgica de São João Maria Vianney, presbítero

São João Maria Vianney nasceu perto da cidade de Lião, em França, a 8 de Maio de 1786. Cedo descobriu a sua vocação para o sacerdócio. Mas foi excluído do seminário pela sua dificuldade nos estudos. Foi, então, ajudado pelo pároco de Écully e, com quase trinta anos, foi ordenado sacerdote em Grenoble. Em 1819, foi nomeado pároco de Ars. Permaneceu quarenta e dois anos a paroquiar a pequena aldeia, que transformou, graças à sua bondade, à pregação da palavra de Deus, a sua mortificação e à sua caridade. A sua fama espalhou-se de tal forma que gente de toda a parte o procurava para se confessar e ouvir os seus conselhos. Faleceu a 4 de Agosto de 1859. Foi canonizado por Pio XI, em 1925, que também o declarou padroeiro de todos os párocos.


Reflexão
Jesus é repelido como profeta, até pelos seus conterrâneos. Não querem aceitar a novidade da Sua mensagem. Tal como predissera Simeão, é sinal de contradição. Também nos nossos dias. Os profetas da conversão são arautos da verdade pura e dura. Ele encontra hoje as mesmas dificuldades e a mesma falta de fé, entre aqueles que mantêm a filosofia dos escribas e dos fariseus e daqueles que O consideram ainda o filho do Carpinteiro, em antítese à sua filiação divina: o Verbo de Deus feito Homem.

Thursday, August 3

Quinta-feira da Semana XVII do Tempo Comum


Reflexão
Como a Moisés, Deus manifesta-se de diversos modos. O núcleo da parábola é a selecção desigual para justos e não justos, a inevitável presença de bons e maus, tanto no Reino de Deus, como no mundo e na Igreja.
A visão de conjunto do Reino de Deus, pode-se concretizar em três pontos: a implantação do Reino de Deus não se faz sem dificuldades (parábola do semeador; acabará, no entanto, por triunfar (grão de mostarda e fermento); é necessário ter paciência e não precipitar o juízo de Deus (o joio e a rede).

Wednesday, August 2

Quarta-feira da Semana XVII do Tempo Comum



Reflexão
À falta de bancos e caixas fortes o dinheiro e as jóias eram escondidas debaixo da terra. Jesus acentua grande alegria pelo encontro desses tesouros, em função do descobrimento do Reino. Jesus acentua a enorme alegria pelo seu encontro. Os santos tudo sacrificam pelo seguimento do reino. Todos buscam um tesouro fabuloso. Mas primeiro está o Reino de Deus.
A felicidade não está em ter, gastar, amontoar e consumir... mas certamente em partilhar o afecto, o dinheiro e o tempo com os outros.

Tuesday, August 1

Memória litúrgica de Santo Afonso Maria de Ligório

Santo Afonso de Ligório nasceu em Nápoles no ano 1696; obteve o doutorado em Direito Civil e Eclesiástico, recebeu a ordenação sacerdotal e fundou a Congregação do Santíssimo Redentor. Para fomentar entre o povo a vida cristã, dedicou-se à pregação e escreveu vários livros, sobretudo de teologia moral, matéria em que é considerado mestre insigne. Foi eleito bispo de Sant’Agata dei Goti, mas renunciou pouco depois ao cargo e morreu entre os seus, em Pagani, na Campânia, no ano 1787.


Reflexão
A parábola do trigo e do joio reflecte a leitura que dela fazia a primitiva comunidade cristã. Jesus explica quem é quem na parábola. A semente tem o seu processo; germina e frutifica, desde que haja respostas a Deus. A impaciência porém é uma tentação provocada pelo mundo materialista em que vivemos.

Monday, July 31

Memória litúrgica de Santo Inácio de Loiola




Reflexão
Duas breves parábolas sobre o reino de Deus que se completam uma à outra: a do grão de mostarda põe em relevo o contraste entre a pequenez dos começos desse reino e o esplendor do fim que ele há-de atingir; a do fermento, que leveda toda a massa, sublinha a força e energia do fermento e ainda o contraste entre a pequena quantidade do mesmo e a grande quantidade de massa, que ele é capaz de levedar. Assim é o reino de Deus no meio deste mundo.

Friday, July 21

Sexta-feira da Semana XV do Tempo Comum


Reflexão
A atitude de Jesus ante o sábado, mostra que uma lei positiva, pode ceder perante uma necessidade urgente. Jesus não nega a validez do sábado, senão que lhe veio dar plenitude, no domingo da ressurreição.
O domingo, em vez de ser o que por vezes parece - escravizante, - deverá passar a ser libertador. Urge, portanto, voltar a humanizar o domingo, o Dia do Senhor.

Wednesday, July 19

Quarta-feira da Semana XV do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=1589

Reflexão
Os simples compreendem melhor a Jesus. Que contraste entre os sábios e poderosos e os pobres e humildes. Deus manifestou-se na Pessoa e obras de Jesus, mas só os simples de coração é que O entendem. Unidos, fé e ciência, seriam a situação ideal para conhecer e amar a Deus. A Deus chega-se melhor de joelhos do que estendendo a mão!

Monday, July 17

Segunda-feira da Semana XV do Tempo Comum


Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=1587

Reflexão
"Não vim trazer a paz, mas a espada". Estas palavras contradizem as esperanças de todos aqueles que trabalham e lutam pela paz, bem como as próprias palavras de Jesus, que declarou bem-aventurados os que trabalham pela paz. A luta não é dos discípulos contra os outros homens, mas dos outros homens contra os discípulos, contra os missionários do Reino. Mateus continua a tratar das exigências radicais da missão. Nada pode impedir o seguimento de Jesus, ainda que possa causar sofrimentos e provocar rupturas, mesmo dentro da própria família. Mas o seguimento e o amor a Cristo devem sobrepor-se a tudo e a todos. Jesus usa uma linguagem radical, sem limites. Ser cristão tem um preço. O Evangelho é incómodo. Mas existe uma recompensa para quem acolher os enviados.

Friday, July 14

Sexta-feira da Semana XIV do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=1585

Reflexão

Jesus dá algumas instruções aos Apóstolos em ordem à sua actividade missionária, põe-os de sobreaviso em relação às perseguições futuras que virão a sofrer, como Ele as havia de sofrer também. Mas promete-lhes a sua presença junto deles até ao fim, depois de lhes fazer compreender que o testemunho que eles derem é já antecipação do último juízo de Deus. Não foi fácil a missão dos Apóstolos, como ainda hoje o não é a da Igreja. A palavra de Deus desencadeia sempre, ao lado do bom acolhimento de alguns, a indiferença, a irritação e até a perseguição de muitos. A mansidão e a não-violência do missionário não são fraqueza nem masoquismo, mas vivência de duas virtudes aparentemente opostas: a prudência da serpente, como exercício de inteligência vigilante, realista e crítica, que evita o engano; a simplicidade da pomba, como exercício de um procedimento límpido e confiante, próprio de quem sabe estar nas mãos de Deus-Pai, poderoso e bom. Nos tribunais, há que confiar na presença e na acção do Espírito. Quem suportar ser odiado, por causa de Cristo, será salvo.

Thursday, July 13

Quinta-feira da Semana XIV do Tempo Comum


Reflexão
Tudo o que Deus colocou na igreja, nos seus ministros, o em cada um de nós, em ordem à salvação dos homens é dom seu. Por vezes, chamamos-lhe poderes; mas, antes de mais, tudo é graça, tudo são dons, por isso mesmo mais eles exigem serem comunicados aos outros. Aqueles que Deus envia são portadores da Salvação de Deus o por isso acolhê-los ou rejeitá-los é acolher ou rejeitar Aquele de quem são mensageiros. Os discípulos devem anunciar a presença do Reino, tal como fizera João Baptista e Jesus. Quem acreditar que o Reino é o Senhor, e viver como Ele, torna-se sinal da sua presença e pode realizar curas, ressuscitar mortos, curar leprosos, expulsar demónios. O mais importante é estar conscientes das forças divinas que nos enchem, graças à paixão, morte e ressurreição de Cristo. O conteúdo da pregação dos discípulos está expresso nas afirmações relativas à paz. Anunciar a paz é anunciar a Cristo e tudo o que Ele significa.

Wednesday, July 12

Quarta-feira da Semana XIV do Tempo Comum


Reflexão
Cristo, novo Moisés, legislador e introdutor do Reino, é também o Fundador do novo Israel de Deus que é a Igreja. Como característica essencial deste novo Povo, Cristo deixa-lhe a missão de evangelizar. Primeiro para as ovelhas perdidas da casa de Israel, no contexto judaico e, depois do Pentecostes, a todos os povos. O conteúdo essencial da sua pregação é que o Reino de Deus está próximo.

Friday, July 7

Sexta-feira da Semana XIII do Tempo Comum


Reflexão
A misericórdia de Deus é a grande revelação que Jesus nos veio fazer, mas é esta a revelação que temos maior dificuldade em compreender. O ser misericordiosos é também a atitude que temos mais dificuldade em manifestar para com os nossos irmãos e somos mais justiceiros do que misericordiosos.
A vocação de Mateus é apresentada: estava sentado à mesa dos impostos e depois obedece à palavra de Jesus que o manda seguir: Segue-me. O chamamento feito por Jesus era indiscutível e irrecusável e Mateus responde generosamente com plena liberdade e obediência da fé.
A pergunta dos fariseus aos discípulos traduzia o escândalo e o descrédito que as más companhias de Jesus suscitavam nos bem-pensantes. A resposta de Jesus é desconcertante. Ele não glorifica o pecado nem o pecador mas quer libertar, perdoar e quer reintegrá-lo na comunidade dos homens e na amizade de Deus.

Thursday, July 6

Quinta-feira da Semana XIII do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=1578

Reflexão
Ao mesmo tempo que revela o seu poder sobre as próprias leis da natureza, Jesus mostra que também tem o poder de perdoar os pecados. E é sempre em seu nome que a Igreja os continuará a perdoar, ela que é o sacramento universal da salvação, como disse o Concílio, que torna presente, no meio dos homens, a obra da salvação realizada pelo Senhor.
Vendo Jesus a fé deles, disse ao paralítico: Filho, tem confiança, os teus pecados estão perdoados. Jesus tem poder para perdoar os pecados. A cura do paralítico prova-o e sabe o que os escribas estavam a pensar, sem que ninguém lho tivesse dito. O poder Jesus para perdoar pecados foi comunicado à Igreja e aos homens escolhidos por Ele para desempenharem directamente essa missão.

Wednesday, July 5

Quarta-feira da Semana XIII do Tempo Comum



Reflexão
O importante do Evangelho é o triunfo de Jesus sobre os demónios. Realizando este exorcismo em terra pagã, Jesus antecipa a vitória do seu Mistério Pascal do fim dos tempos, que há-de pôr termo a toda a acção demoníaca sobre os homens remidos com o seu sangue.
Pretende descrever um encontro de Jesus com os pagãos, dominados pelas forças do mal, mas enquanto o centurião acreditou e aceitou Jesus, os habitantes de Gádara não crêem e rejeitam-no.

Tuesday, July 4

Terça-feira da Semana XIII do Tempo Comum


Reflexão
São normais as tempestades fortes naquele mar. Jesus parece dormir! Os discípulos, principiantes na fé em Jesus, acordam-no, suplicando que os salve. Uma vez amainado o mar, interrogam-se sobre a identidade deste homem a quem até os ventos e o mar obedecem! As tempestades são muitas, no mar da vida! Deus parece dormir, parece estar ausente! Mas afinal, quem é que está a dormir? Quem é que está ausente? A fé dos discípulos era mesmo principiante. A fé adulta supõe uma confiança incondicional e absolutamente sem limites! Esta deve ser a nossa.

Monday, July 3

Festa de São Tomé, Apóstolo


Reflexão
O martirológio jeronimiano do século VI coloca no dia 3 de Julho a transladação do corpo de São Tomé para Edessa, na actual Turquia. Este apóstolo, também chamado Dídimo, é-nos dado a conhecer sobretudo por São João evangelista. É Tomé que convida os outros apóstolos a acompanharem Jesus para a Judeia, para morrerem com Ele. É a pergunta de Tomé que leva Jesus a definir-se: Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Finalmente, Tomé, com a sua incredulidade, que se desvaneceu na presença de Cristo ressuscitado, ajuda-nos a fortalecer a nossa adesão a Jesus, por meio de uma profissão de fé muito clara, a fé pascal da Igreja: Meu Senhor e meu Deus! Temperamento audacioso e cheio de generosidade, percorreu as etapas da fé e professou que Jesus era realmente Deus e Senhor. Como escreve São Gregório Magno, a incredulidade de Tomé foi mais útil à nossa fé do que a fé dos discípulos crentes. Após o Pentecostes, partiu em missão. Sobre a sua vida nada se sabe ao certo, além dos pormenores contidos no Evangelho. Diz-se que pregou o Evangelho na Índia.

Friday, June 30

Sexta-feira da Semana XII do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=1517

Reflexão
Ao curar o leproso, Jesus manifesta-Se como Senhor da vida e da morte, cheio de compaixão para com os que sofrem, e ainda como Aquele que reconduz os homens à comunhão na unidade do povo de Deus. Tudo o que por fora acontecer é sinal do que acontece por dentro. A simplicidade que envolve este milagre de Jesus manifesta, por um lado, o poder da palavra do Senhor e, por outro, a força da fé do homem que O invocava.

Thursday, June 29

Solenidade litúrgica de São Pedro e São Paulo


Reflexão
Pedro e Paulo, são as colunas da Igreja. Cristo concede-lhe o poder de chefe, para servir o Povo de Deus, como povo sacerdotal, profético e serviçal. Não obstante, a nova imagem da Igreja passa pela descentralização, pela colegialidade, pela comunhão e responsabilidade de compromissos tanto da hierarquia como dos leigos.

Wednesday, June 28

Quarta-feira da Semana XII do Tempo Comum





Reflexão
Tal como as árvores pelos seus frutos, é pelas obras que se conhecem os homens, bons ou maus. Quão diferente o seu destino?! É no coração que radica a bondade e a maldade dos homens! Por isso urge interiorização e qualidade nas nossas obras.