Monday, December 17

Segunda-feira da Semana III do Advento


Reflexão
Daqui até ao Natal sobe de tom o sentido cristológico das leituras. Começa a dar-se um relevo especial a Cristo e a Maria. Na árvore genealógica de Jesus há pessoas ilustres e outras não tanto. Apesar de se estar na linha masculina, nomeiam-se algumas mulheres, duas das quais nem são judias. Solidário com a Humanidade inteira, Cristo converte-se no molde de todo o Ser Humano, pois Ele é o Homem Novo. Cristo não é fantasma algum, pois a sua linhagem histórica encontra-se bem definida.

Friday, December 14

Sexta-feira da Semana II do Advento

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/advento-segunda-semana-sexta-feira0/

Reflexão
Isaías, o profeta do desterro, alerta o povo sobre o sentido da sua sorte. Mesmo no desterro, humilhado e vexado, Deus continua a chamar o seu povo pelo seu nome e a fazê-lo depositário das suas promessas. Cativeiro que é símbolo do seu próprio afastamento de Deus. Os contemporâneos de Jesus adoptam comportamento idêntico: não aceitam nem João nem o Filho do Homem. Tal como a sociedade de hoje. Busca subterfúgios e escusas, escudando-se até nos defeitos dos crentes. Em vez dum sério compromisso com o Evangelho, damos prioridade a uma religião de saldos, de luzinhas brilhantes e de enfeites externos!

Thursday, December 13

Pensamento do dia: 13-12-2018

Os sábios aprendem com os erros dos outros, os tolos com os próprios erros e os idiotas não aprendem nunca. (Provérbio chinês)

Quinta-feira da Semana II do Advento


Reflexão
Demonstra a experiência quanto vale ter um amigo ao nosso lado. É esse sentimento que o profeta quer transmitir-nos a respeito da posição de Deus para connosco.
João Baptista é figura central. Grande, mas de superioridade maior ainda é o mais pequeno no Reino dos Céus. Não será um juízo de valores, mas a afirmação concreta duma situação.
Para entrar no Reino é preciso fazer violência a si mesmo, à força de muitas renúncias, com grande empenhamento pessoal. Assim o entenderam os santos e tantos cristãos ao longo da História da Igreja. A violência do Reino tem lugar, sobretudo, dentro de cada um de nós.

Wednesday, December 5

Quarta-feira da Semana I do Advento


Reflexão
Os paraísos terrestres tão sonhados pelo homem, são sempre os mesmos: bem-estar, dinheiro e tempo livre. Mas será o homem de hoje mais feliz do que os de outros tempos?
O sonho messiânico fez-se realidade. A multiplicação dos pães é sinal deste sonho messiânico do Reino de Deus e também da Eucaristia. O festim do banquete do Reino é universal, é para todos. No Reino de Deus não há discriminação. Este sonho realiza-se na Pessoa de Jesus. Neste Natal que se aproxima, o nosso compromisso é com os pobres, com os mais carenciados, de tal forma que haja pão para todos.

Friday, November 30

Pensamento do dia: 30-11-2018

Nada precisa tanto de reforma como os hábitos dos outros. (Mark Twain)

Festa de Santo André, Apóstolo


Reflexão
A fé é necessária para a salvação. Para o efeito, é preciso que se anuncie a Boa Nova do Reino. A adesão a esta Boa Nova do Reino só é possível depois da conversão do coração. João pregou o baptismo que leva à penitência; Jesus pregou o Baptismo que dá acesso ao Reino.
André, pescador, filho de pescadores, que encontra o Senhor nas margens do Jordão é exemplo de resposta rápida ao chamamento de Cristo. A adesão a Cristo faz-se sem condições. A sua fé provou-a no fogo do martírio mediante o testemunho convicto e convincente do derramamento do seu sangue.

Thursday, November 29

Quinta-feira da Semana XXXIV do Tempo Comum


Reflexão
Jesus prediz a destruição de Jerusalém, o que veio a acontecer no ano 70 pelas legiões romanas de Tito. Outra destruição sobreveio no ano 135 no tempo de Adriano. Segundo Jesus, este acontecimento também é religioso, revestindo-se dum castigo à incredulidade do povo. Mas também há um sinal de esperança.

Wednesday, November 28

Quarta-feira da Semana XXXIV do Tempo Comum


Reflexão
A perseguição dos discípulos é um sinal precursor da plena manifestação do Reino e, por isso, não devem eles temê-las porque Cristo está com eles. A fé no Evangelho será ocasião de divisões e maus tratos. Mas Deus tudo dispõe para nosso bem. O discípulo não é mais do que o Mestre. Por isso, participa do Seu destino. O segredo da sua força e da sua vitória está na comunhão com a Sua Palavra, o Seu testemunho e o Seu Espírito. Todo o que vive segundo os critérios das Bem-aventuranças, entra em ruptura com os critérios do mundo. As perseguições de todos os tempos foram previstas e anunciadas. Depois, se sofremos com Ele, com Ele reinaremos.

Tuesday, November 27

Terça-feira da Semana XXXIV do Tempo Comum


Reflexão
O tema escatológico domina a liturgia desta última semana do ano litúrgico. Não há datas concretas nem próximas para a vinda do Filho do Homem. No entanto hão-de surgir falsos profetas. Cristo aconselha cuidado com eles. A linguagem da Escatologia tem um fim didáctico e catequético, que encerra um convite à conversão pessoal, projetada na transformação das mesmas estruturas sociais. Compete aos crentes serem guias e testemunhas.

Monday, November 26

Segunda-feira da Semana XXXIV do Tempo Comum


Reflexão
A viúva dos dois cêntimos encarna a pobreza e o desprendimento evangélicos. A sua atitude contrasta com a atitude egoísta dos que só pensam em si e nos seus bens.
O que pesa, não são os quantitativos, mas sim a atitude de desapego. O dinheiro e os bens são necessários, mas não são a fonte da vida e da felicidade. Há pobres tão pobres, que só têm dinheiro! Quantas situações lacerantes provocadas pela idolatria do dinheiro!
Amar, é partilhar, é dar e é sobretudo, dar-se.

Monday, November 19

Segunda-feira da Semana XXXIII do Tempo Comum


Reflexão
Correr atrás duma novidade, sempre foi tentação. A cura do cego prefigura a cura da fé dos discípulos de todos os tempos. A primeira comunidade cristã viu nesta cena o esquema básico duma catequese baptismal: pressentir a presença de Deus; vencer os obstáculos; romper com o passado; comprometer-se a fundo; contacto com Cristo, mediante a visão da nova fé; seguir a Cristo, como testemunha do seu Reino.

Sunday, November 18

Domingo XXXIII do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2284

Reflexão
O Evangelho de hoje vai ao encontro da descoberta dos sinais de esperança no mundo e na Igreja. Marcos procura ensinar aos cristãos como é que eles devem viver neste mundo: mesmo nos momentos mais tristes devem descobrir os sinais do Reino que se aproxima.
Jesus não quer meter medo aos discípulos, mas consolá-los. O mundo do mal está a chegar ao seu fim. O Filho do Homem está para vir com grande poder e glória para instaurar o reino em que não haverá nem fome, nem dor, nem doenças. Ele tomará conta dos discípulos nos momentos mais difíceis.
Jesus exorta-nos a não ligar muito às pessoas que anunciam catástrofes e a iminência do fim do mundo, mas ensina-nos a espalhar sempre o optimismo à nossa volta. No caminho do mundo em que há ainda muito ódio, sofrimento e lágrimas, não nos deixemos afundar no desespero porque Jesus vem abrir os corações à esperança, e as comunidades cristãs são chamadas a ser sinais de esperança, fonte de amor e de paz. A palavra de Jesus é anúncio de felicidade e salvação para todos e a seguir o caminho do bem, a fazer surgir o dia novo da salvação e da liberdade eternas.

Thursday, November 15

Quinta-feira da Semana XXXII do Tempo Comum


Reflexão
A sabedoria é o esplendor da luz eterna. O hagiógrafo ressalta a omnipotência e omnisciência de Deus. Deus é amor e o amor necessita exprimir-se. A expressão mais exacta e o reflexo mais brilhante da Sabedoria do Pai é Jesus. Quando os judeus esperam os sinais do Reino de Deus, Jesus ensina-lhes que o Reino de Deus é interior, já está entre vós. Ante a hecatombe anunciada pelo próprio homem, Jesus diz que vivamos intensamente o presente, como garantia do futuro.

Wednesday, November 14

Quarta-feira da Semana XXXII do Tempo Comum


Reflexão
Onde estão os outros nove? Jesus tece um hino à fé agradecida do samaritano. A lepra é um símbolo e efeito do pecado. O samaritano alcança a salvação em plenitude.
Os outros nove, são um símbolo da contabilidade espiritual mercantilista, pois a salvação é sempre iniciativa de Deus. Por isso não basta pertencer sócio-religiosamente à Igreja, mas alimentar a sua fé, e dar graças continuamente ao Senhor. A Eucaristia é uma perene acção de graças a Deus.

Tuesday, November 13

Terça-feira da Semana XXXII do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2250

Reflexão
Os fariseus, isto é os crentes que se vangloriam dos próprios méritos, não passam de servos inúteis, aos olhos de Deus. À atitude mercantilista do próprio mérito, opõe Jesus a da amizade do serviço incondicional a Deus e aos irmãos. O autêntico discípulo de Cristo, não se serve, serve. Para Deus não conta o sentido utilitarista da eficácia dos barómetros da nossa produtividade. O nosso gozo e a nossa glória estão em sermos fiéis servidores do próprio Cristo. Humildes servidores, mas não inúteis, como fazem os santos. Fizeram aquilo que deveria realmente ter sido feito. Assim todos os cristãos dignos de tal identidade!

Monday, November 12

Memória litúrgica de São Josafat, bispo e mártir

São Josafat
Nasceu na Ucrânia, cerca do ano 1580, de pais ortodoxos. Abraçou a fé católica e entrou na Ordem de S. Basílio. Ordenado sacerdote e eleito bispo de Polock, dedicou se com grande empenho à causa da unidade da Igreja, pelo que foi perseguido pelos seus inimigos e morreu mártir em 1623.

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2249

Reflexão
O perdão fraterno é ilimitado e exigido como prova de amor. Antes de subires ao altar a fazer a tua oferta, reconcilia-te com o teu irmão. Os escândalos aos mais débeis e mais simples, recebem castigos severos. Por outro lado, Jesus atribui um valor e um poder impressionante à fé. Não é um problema de quantidade, mas de qualidade.
A súplica dos apóstolos reflecte uma situação de crise. Há crises de fé religiosa humana evidentes. Ela situa-se num contexto da experiência religiosa pessoal. A fé aprofunda-se mediante a oração, o estudo da leitura bíblica, a meditação.

Friday, November 9

Festa litúrgica da Dedicação da Basílica de Latrão

Dedicação da Basílica de Latrão
Segundo uma tradição que remonta ao século XII, celebra-se neste dia o aniversário da dedicação da basílica de Latrão, construída pelo imperador Constantino. Inicialmente foi uma festa exclusivamente da cidade de Roma; mais tarde, estendeu-se à Igreja de rito romano, com o fim de honrar a basílica que é chamada a igreja mãe de todas as igrejas da Urbe e do Orbe e como sinal de amor e unidade para com a Cátedra de Pedro que, como escreveu Santo Inácio de Antioquia, preside à assembleia universal da caridade.     


Reflexão
Dedicada no ano 320, a Basílica de Latrão é a catedral do Papa, o Bispo de Roma. Nela se celebraram ao longo de 16 séculos, 5 concílios ecuménicos e outros acontecimentos de relevo. Esta Basílica é a mãe e cabeça de todas as igrejas. Ao comemorarmos a dedicação desta Igreja, celebramos o mistério da Única Igreja de Cristo.
O Templo é o lugar do culto a Deus. Por isso Jesus continua a verberar aqueles que fazem dele um comércio. Jesus é o verdadeiro Templo onde habita a plenitude da Divindade. Os espaços sagrados são sinais de Cristo e do novo Povo de Deus, a Sua Igreja. Mas o verdadeiro culto, é em espírito e em verdade. As formas litúrgicas são apenas a expressão mais viva da fé da comunidade.

Thursday, November 8

Quinta-feira da Semana XXXI do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2246

Reflexão
O cristianismo não é simples doutrina nem simples moral, mas a aceitação, em toda a vida, da pessoa de Jesus Cristo e do desígnio de Deus que Ele nos revela. Todas as expressões, pessoais ou colectivas, da fé cristã são sempre sinal e meio de participação na vida de Deus, revelada e comunicada a nós em Cristo. Tudo o que não fosse isto, seria perda e desvantagem.
Com duas maravilhosas parábolas de misericórdia, a da ovelha e a da moeda perdidas e reencontradas, Jesus ensina fariseus e escribas, duros e intransigentes, que os pecadores não são para se desprezarem, mas para se acolherem e ajudarem a encontrar um caminho de conversão. É nota particular de São Lucas insistir na misericórdia de Deus para com os pecadores.
Nestas duas parábolas, ressalta a misericórdia de Deus que resume a História da Salvação, ao reabilitar totalmente a condição humana. A alegria no céu por aquele que se converte. Em contraposição com a atitude puritana dos fariseus e doutores da Lei.

Wednesday, November 7

Quarta-feira da Semana XXXI do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2245

Reflexão
Jesus e Paulo pregam a religião do amor, que é a perfeição da Lei. No dizer de Santa Teresa, o Senhor não se fixa na grandeza das obras, mas no amor que as inspira... Por isso o evangelho é radical: é preciso renunciar a tudo o que pode dificultar ou impedir o seguimento a Cristo. Ele tem prioridade sobre todos os outros bens.