Monday, May 20

Segunda-feira da Semana V do Tempo Pascal

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2515

Reflexão
Estamos hoje durante o percurso da primeira viagem missionária de São Paulo, feita conjuntamente com São Barnabé, e estamos em plena Ásia Menor, a Turquia actual, e na cidade de Listra, terra de pagãos. O ponto de partida para os evangelizar foi uma cura miraculosa; mas essa evangelização não se ficou pelo extraordinário da cura, pelo milagre. A cura foi um sinal: a palavra dos Apóstolos fez a catequese a partir desse sinal. Os Apóstolos procuram ir até a anunciar-lhes o Deus verdadeiro, a partir da experiência que eles agora eram capazes de ter da acção de Deus no meio de si.
A união entre Jesus Cristo e os cristãos vai ser maior depois da sua morte do que o havia sido antes. Os cristãos mostrarão que O amam guardando os seus mandamentos, sobretudo o mandamento do amor fraterno; e o Senhor, que está agora no Pai, vai manifestar-Se-lhes na intimidade profunda do coração, na fé, na esperança e na caridade. Mas toda esta acção divina junto dos homens será fruto do Espírito Santo, o Defensor, o Paráclito, que os discípulos hão-de receber no Pentecostes.

Friday, May 17

Sexta-feira da Semana IV do Tempo Pascal

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2513

Reflexão
O caminho para o Pai: após o anúncio da traição, o ambiente é de desânimo; Jesus fala da casa do Pai e diz-Se o caminho que leva indefectivelmente a ela; é um caminho que evoca o Êxodo do desterro e a peregrinação pelo deserto.
Jesus é Caminho, Verdade e Vida: Casa e Caminho que levam à experiência de comunhão com Deus; Jesus é a verdade no mundo da mentira, a Vida num mundo de morte e destruição. Caminho porque em Si mesmo nos revela Deus; guiado pelo Espírito, o Povo de Deus caminha em direcção ao Pai; Cristo é o amor do Pai ao homem, a imagem visível do Seu Ser invisível.

Wednesday, May 15

Quarta-feira da Semana IV do Tempo Pascal

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2511

Reflexão
Jesus assume uma nova identificação: a Luz. São João no seu Evangelho - o Livro dos Sinais - constata a incredulidade dos judeus. Jesus confia o juízo definitivo à Luz do Mundo e à Palavra do Pai, que é Ele mesmo. Cristo é a Palavra pessoal do Pai, feita Homem: Escutá-Lo, é chegar à Luz e caminhar na Luz; Crer em Cristo é um movimento de adesão e entrega à Sua pessoa; Ele é para nós, princípio de vida e comunhão de amor com Ele.
Enviados para cumprir a missão: Cristo, como Enviado do Pai, transmite fielmente a mensagem dele recebida; A fidelidade à missão exige pregar Cristo e não as próprias ideias; O contexto litúrgico do envio missionário, tal como em Antioquia.

Pensamento do dia: 15-05-2019

Há duas coisas em mim: a gratidão e a incapacidade de deixar de elogiar o que é bem feito. (São Vicente de Paulo)

Tuesday, May 14

Festa litúrgica de São Matias

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=376

Reflexão
Matias ocupa um lugar deixado vazio por Judas. Escolhido pelo Espírito Santo. Os Apóstolos retomam a tarefa apostólica para que se cumpram os planos de Deus; é o Espírito que governa a Igreja e que suscita nela os instrumentos de evangelização necessários; a missão apostólica só será eficaz quando deixar transparecer o amor d'Aquele que os enviou.
Fui Eu que vos escolhi a vós: de servos, passámos a amigos íntimos de Jesus; escolhidos para realizar os desígnios salvadores de Deus; numa abertura de total dedicação e compromisso com os mais carenciados.

Friday, May 10

Sexta-feira da Semana III do Tempo Pascal


Reflexão
Cristo declara-Se comida verdadeira... cujos efeitos são a vida e a plena comunhão com Ele... Cristo apresenta já a perspectiva eucarística da Ultima Ceia, nas expressões comer a minha carne e beber o meu sangue que traduzem a realidade sacramental autêntica da Eucaristia. A Comunhão e a Vida eterna são os frutos desse Pão. A Fé e a Eucaristia, duas realidades do mesmo sacramento, que é Cristo.

Wednesday, May 8

Quarta-feira da Semana III do Tempo Pascal


Reflexão
Eu sou o pão da vida. Jesus apresenta-se como o revelador da verdade, o mestre divino que veio para alimentar os homens. O pão e o maná são símbolo da Sua revelação e da Sua pessoa. Mas, a multidão não quer entender, não reconhece Jesus como Filho de Deus. Então Jesus denuncia a pouca fé das pessoas. Ele fez-se homem, não para fazer a sua vontade, mas a vontade d’Aquele que O enviou: que Eu não perca nenhum daqueles que Ele me deu, mas o ressuscite no último dia.
Ao dar-nos o seu Corpo na Eucaristia, Jesus comunica-nos a sua vida de ressuscitado e alimenta-a em nós. A Eucaristia é penhor de ressurreição. Jesus abriu-nos o caminho da vida eterna porque se entregou à morte por nosso amor. Na Eucaristia, Jesus renova o dom de Si mesmo. Receber a Eucaristia é receber Aquele que se ofereceu por nós até à morte e receber a força para percorrer o mesmo caminho. E, quando surgirem as dificuldades e as perseguições, é o Pão que nos dará força e coragem.

Tuesday, May 7

Terça-feira da Semana III do Tempo Pascal


Reflexão
O Maná representa um alimento superior. Jesus usa a expressão do Antigo Testamento Eu sou, acrescentando o Pão da Vida.
O Pão da Vida é, portanto, a Pessoa de Jesus, que se revela e exige uma resposta de fé. Ele é a vida imortal prometida ao homem que por Ele vive e por ele morre. As situações de fome no mundo, só serão erradicadas, quando partilharmos uns com ou outros o pão da nossa vida. Crer é proclamar Jesus Cristo, o Ressuscitado de Deus. O que Deus quer é que o pecador se converta e viva. No que respeita à salvação, não pode haver monopólios nem privilégios. A bondade salvadora de Deus é para todos os homens, até aos confins da Terra.

Pensamento do dia: 07-05-2019

A rede digital pode ser um lugar rico em humanidade: não é uma rede de cabos, mas de pessoas humanas. (Papa Francisco)

Friday, May 3

Festa litúrgica de São Filipe e São Tiago, Apóstolos

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=387

São Filipe e São Tiago, Apóstolos
Como São Pedro e Santo André, Filipe era natural de Betsaida. O seu nome grego deixa supor que pertencia à comunidade helenista. Foi dos primeiros discípulos a ouvir o chamamento do Senhor: Segue-me. Pôs-se imediatamente ao serviço do Senhor e começou a dedicar-se à missão. Segundo a tradição, São Filipe evangelizou a Turquia, onde morreu mártir.
São Tiago, o Menor, filho de Alfeu, era primo de Jesus e escreveu a Carta de Tiago. Foi testemunha privilegiada da ressurreição do Senhor, ocupando um lugar proeminente na comunidade de Jerusalém. Depois da dispersão dos Apóstolos, nos anos 36-37, aparece como chefe da igreja-mãe. Morreu mártir por volta do ano 62, sendo precipitado pelos Judeus do Templo e lapidado como Estêvão. Na sua carta, deixou-nos o testemunho da prática da Unção dos Enfermos já nos tempos apostólicos.

Reflexão
Cristo é a Palavra do Pai em carne humana: trata-se de um viver e um conhecer pela força da fé; em São João, ver, conhecer e crer, são praticamente sinónimos. Supõem a experiência íntima e pessoal com Deus; Jesus remete às Suas palavras e obras, a prova da Sua união com o Pai.
A contemplação do Pai em Jesus, faz-se extensiva a todos os cristãos que se convertem em sinal da Sua presença no mundo; a fé, unida à oração humilde, tudo acalma; a difusão do Evangelho, acaba muitas vezes em perseguições e sofrimentos; a Palavra de Deus é um desafio constante à liberdade das nossas opções.

Thursday, May 2

Quinta-feira da Semana II do Tempo Pascal

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2500

Reflexão
Os sanedritas opõem-se ao anúncio pascal dos Apóstolos e prendem-nos de novo. São libertos e anunciam uma vez mais a Cristo ressuscitado. Crer ou não crer é o dilema radical. Viver ou não viver o Evangelho, é o desafio. Jesus é o Filho de Deus, é o seu porta-voz. Só quem acredita nele, tem a vida eterna. Como os apóstolos, também nós recebemos o Espírito Santo, para dar testemunho, para anunciar a Cristo até ao fim do mundo!

Wednesday, May 1

Memória litúrgica de São José, Operário


Reflexão
O primeiro de Maio, considerado hoje na Europa o dia da Festa do trabalho, foi, durante muitos anos, nos fins do século XIX e princípios do século XX, um dia de reivindicações e mesmo de lutas violentas pela promoção da classe operária.
A Igreja que se mostrou sempre sensível aos problemas do mundo do trabalho, quis dar uma dimensão cristã a este dia. Nesse sentido, Pio XII, em 1955, colocava a Festa do trabalho sob a protecção de São José, na certeza de que ninguém melhor do que este trabalhador poderia ensinar aos outros trabalhadores a dignidade sublime do trabalho.
Operário durante toda a sua vida, São José teve como companheiro de trabalho, na oficina de Nazaré, o próprio Filho de Deus, Jesus Cristo.
E foi, na verdade, Jesus que lhe ensinou que o trabalho nos associa ao Criador, dando-nos a possibilidade de aperfeiçoar a natureza, de acabar a criação divina. O trabalho é um serviço prestado aos irmãos. O trabalho é um meio de nos associarmos à obra redentora de Cristo. (Gaudium et Spes, 67).

Tuesday, April 30

Terça-feira da Semana II do Tempo Pascal


Reflexão
Os Actos dos Apóstolos dão-nos um quadro síntese do que eram e como viviam as primeiras comunidades cristãs. Uma fé vivida a sério, que se traduzia na partilha de bens e total ajuda mútua.
Uma Comunidade Sacramento sinal visível da fé no anúncio de Cristo, como centro vital da sua vida; de vida e de amor, aceitando-se alegremente na comunhão da partilha mútua; de oração e comunhão eucarística; do sentido do envio e de missão.
A fé vivida a sério tem de nos levar à comunhão total no amor fraterno.

Monday, April 29

Cassete 80: Stéphanie de Monaco - Irresistible

Artista: Stéphanie de Mônaco
Álbum: Besoin
Data de lançamento: 1986
Gênero: Pop

A princesa Stéphanie aventurou-se como cantora e em 1986, obteve um sucesso inesperado com o tema "Ouragan", que com "Joe Le Taxi" de Vanessa Paradis e "Voyage Voyage" de Desireless, acabaria por formar a trilogia dos hits internacionais da década cantados em francês. A canção tinha sido escrita para Jeanne Mas, uma das principais cantoras francesas da década, mas perante a recusa desta, o compositor Romano Musumarra resolveu oferecê-la a Stéphanie. O lado B do single era a versão em inglês: "Irresistible" (que foi a versão editada em Inglaterra, Alemanha e Áustria).
Inicialmente não havia videoclip da canção, apenas imagens da princesa a gravar a canção, mas quando o tema chegou ao n.º 1 em França, foi feito um videoclip que alterna as versões francesa e inglesa, onde Stéphanie atravessa vários cenários exóticos perseguindo um misterioso homem de chapéu.
"Ouragan" ficaria 10 semanas em n.º 1 no top francês e o segundo single mais vendido de 1986 em terras gaulesas. Obteve também assinalável sucesso em Alemanha, Itália, Suíça, Holanda, Áustria e Portugal.
Fonte: http://enciclopediadecromos.blogspot.com/2012/12/stephanie-do-monaco-ouragan.html

Thursday, April 25

Quinta-feira da Oitava da Páscoa

Os Apóstolos nem queriam acreditar. Imaginavam ver um fantasma. A narração desta aparição aos Onze está na linha da aparição aos discípulos de Emaús. Ante o assombro, Jesus dá provas físicas da sua identidade e explica-lhes a necessidade de que tudo quanto estava escrito a seu respeito, tinha de cumprir-se, como de facto se cumpriu. Jesus abre-lhes a inteligência à compreensão plena das Escrituras.

Wednesday, April 24

Quarta-feira da Oitava da Páscoa


Reflexão
Dois homens, fracassados na fé, caminham para Emaús. Esperavam a libertação do seu povo, e o seu Messias resultou num fracasso. Crucificado, morto e sepultado há três dias, sem nova nem mandato. O Senhor acompanha-os, ainda que não o reconheçam, embora já sintam o seu coração a aquecer-se.
Quando O reconhecem, no partir do pão, voltam para Jerusalém, entusiasmados. Agora acreditam.

Tuesday, April 23

Terça-feira da Oitava da Páscoa


Reflexão
O eco das palavras de Pedro chega até nós: salvai-vos desta sociedade corrompida, aquela que deu morte a Jesus! Ao discurso de Pedro, responderam cerca de três mil fiéis, convertendo-se ao Senhor Jesus Cristo e baptizando-se.
É inútil procurar entre os mortos Aquele que vive! O amor provoca a fé viva no ressuscitado. Lágrimas de dor e sofrimento abrem caminho para ver e reconhecer o Senhor. Onde há dois ou três reunidos em Seu nome, aí se celebra o mistério pascal de Cristo!

Wednesday, April 17

Quarta-feira da Semana Santa


Reflexão
O servo de Yhavé antecipa a Paixão do Messias que, no meio dos sofrimentos, não perde a confiança no Senhor. Assim é todo o justo, quando perseguido e traído. Os planos homicidas dos judeus compram a consciência de Judas por trinta moedas de prata, o preço dum escravo, o preço da traição. Também hoje, muitos perguntam: Quanto há para isso?, vendendo a consciência ao diabo! É assim o mistério do coração humano, capaz do mais nobre e também do mais vil!...

Tuesday, April 16

Terça-feira da Semana Santa


Reflexão
A missão do servo de Yhavé é proclamar a Palavra do Senhor, reunir os sobreviventes de Israel, e ser luz das nações. Tarefa de salvação universal que Jesus realiza em plenitude.
Na mesa da última Ceia, presencia-se um drama de amor, ressentimentos, ambições, traição e negação. A morte de Cristo inclui já a glória da ressurreição. A teologia da cruz e da glória são duas faces da mesma moeda.

Monday, April 15

Segunda-feira da Semana Santa


Reflexão
O servo de Yhavé é a figura do povo de Israel e também do próprio Cristo. Trata-se dum servo compassivo e manso, ungido para proclamar a justiça e libertação dos oprimidos. Cristo é, de facto, o Servo que Deus ungiu e fez aliança com o Seu Povo, a Igreja.
Jesus descansa em casa de seus amigos, Lázaro, Marta e Maria. O ódio a Jesus também se estende a Lázaro, a quem pretendem matar. O gesto de Maria enche de fragrância aquela casa. Judas finge ser amigo dos pobres.