Tuesday, October 22

Terça-feira da Semana XXIX do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2665

Reflexão
Os criados, convertidos em senhores, como prémio da sua vigilância activa, é uma forma bíblica de apresentar a recompensa dos pobres de Israel. A cena dá lugar a uma referência eucarística, na Ceia pascal.
A vigilância é atitude própria do amor que vela sobretudo na noite. Esta, sem contraposição ao dia, é tempo privilegiado de liberdade; em contraposição ao dia, é símbolo do mal.
A caminhada do crente é feita entre luzes e trevas. O que é preciso, é estar vigilante!

Friday, October 18

Festa litúrgica de São Lucas, Evangelista


São Lucas
Nascido em Antioquia (Síria) Lucas é um homem de cultura multifacetada. Atraído pela figura e pelo exemplo de Paulo, Lucas converte-se e coloca-se ao serviço do Apóstolo. Passa a ser o companheiro inseparável, mesmo quando outros discípulos o abandonam. Lucas é também um atento observador da vida de Maria. O tema fundamental do seu Evangelho, é a admissão dos pagãos à participação no Reino. Lucas é o auscultador atento dos sentimentos humanos de Cristo.

Thursday, October 17

Memória litúrgica de Santo Inácio de Antioquia

Santo Inácio de Antioquia
Santo Inácio sucedeu ao apóstolo São Pedro no governo da comunidade cristã de Antioquia. Nos inícios do século II, foi conduzido a Roma para ser condenado às feras. Enquanto ia a caminho do martírio, Santo Inácio escreveu sete cartas às diversas igrejas do seu tempo. São cartas escritas com sangue, verdadeiros pedaços de vida, com o grito ardente de um místico que anseia pelo martírio. Estas cartas, cuja autenticidade é admitida pela maioria dos estudiosos, com sólidos argumentos, conservam rasgos vivos e luminosos de uma das maiores personalidades dos primeiros séculos da Igreja.


Reflexão
Possuidores da chave do saber religioso, os doutores da Lei fecham e não abrem a porta da salvação aos simples. Deus enviou-lhes profetas e apóstolos que, segundo a tradição os perseguem e matam. A Bíblia enumera 104 profetas, dos quais 49 não deixaram nome. Hoje como ontem, a vida dos profetas não é fácil e a sua missão é, muitas vezes, rejeitada.

Wednesday, October 16

Memória litúrgica de Santa Margarida Maria Alacoque

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2661

Santa Margarida Maria Alacoque, Virgem

Nasceu em 1647 na diocese de Autun (França) no ano de 1647. Entrou no mosteiro da Visitação, em Paray-le-Monial, quando tinha 27 anos de idade, progrediu de modo admirável no caminho da perfeição. Na capela desse mosteiro teve revelações místicas, particularmente sobre a devoção ao Coração de Jesus, recebendo a missão de divulgar a devoção ao mesmo Sagrado Coração, com o apoio e a ajuda de São Cláudio de La Colombière e contribuiu muito para introduzir o seu culto na Igreja. Morreu a 17 de Outubro de 1690, sendo canonizada por Bento XV, em 1920. Santa Margarida Maria é um dos padroeiros da Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus, Dehonianos.

Reflexão

Jesus interpela os fariseus porque se preocupam com minúcias e desprezam o principal. São escravos da vaidade e do orgulho, sepulcros caiados, repletos de hipocrisia e corrupção e, em vez de guias, converteram-se em ditadores da opressão. Jesus respeita a observância da Lei, mas diz que a primazia pertence à justiça e ao amor. Exemplo para os cristãos que devem libertar-se dos esquemas legalistas e procurar um clima filial de liberdade em Cristo. Para o cristão, a Lei é Cristo que se define por um total amor aos homens a quem fez irmãos.

Tuesday, October 15

Memória litúrgica de Santa Teresa de Jesus

Santa Teresa de Jesus, Virgem e Doutora da Igreja
Santa Teresa de Jesus nasceu em Ávila, Espanha, no ano de 1515. Entrou no Carmelo da Incarnação em 1535. Depois de um longo período de tibieza, começou a sua "conversão", com uma intensa vida mística em contato com Cristo, que a levou ao forte desejo de servir a Igreja do seu tempo, dilacerada pela Reforma protestante. Em 1562, fundou o Carmelo de S. José, em Ávila, onde deu início à reforma da Ordem. Seguiram-se diversas fundações de conventos reformados em Castela e na Andaluzia. A reforma estendeu-se também aos conventos carmelitas masculinos, graças à colaboração de S. João da Cruz, seu diretor espiritual, a partir de 1567. No leito de morte declarou-se feliz por morrer "filha da Igreja". Faleceu a 4 de Outubro de 1582. Foi canonizada por Gregório XV, em 1623, e declarada Doutora da Igreja por Paulo VI, em 1970.


Reflexão
Jesus não suporta a hipocrisia. Por isso, não se submete à prática pseudo-religiosa das abluções rituais, ditadas pelas tradições rabínicas. Jesus acusa-os de hipócritas, avarentos e intemperantes, fazendo-lhes ver a necessidade da conversão interior.
Os ritos têm a sua importância, mas não podem ser absolutizados. As atitudes pessoais do crente, são o fundamento da comunhão do homem com Deus. A nova lei do crente é o mesmo Jesus em Pessoa. Ele é nova e única mediação libertadora.

Friday, October 11

Sexta-feira da Semana XXVII do Tempo Comum

Reflexão
Todo o sinal é ambivalente. Depende de quem o interprete. Foi o que sucedeu com a cura do possesso: Uns admiraram o poder libertador de Jesus e a bondade de Deus manifesta n’Ele; outros fizeram-No cúmplice do próprio demónio. Só a fé ajuda a compreender os sinais (milagres) como provenientes de Deus.
Todo sinal de Deus, como palavra eficaz do mesmo Deus, apela a uma opção a favor ou contra. A sorte do povo de Israel é semelhante à do possesso curado. O povo eleito, hoje, é a Igreja e é nela que optamos ou não, pelo Senhor.

Thursday, October 10

Quinta-feira da Semana XXVII do Tempo Comum


Reflexão
As comparações de Jesus ilustram bem a Sua ideia quanto à necessidade, à perseverança e à eficácia da oração. Esta estará hoje numa situação de crise, tanto a nível individual como familiar e comunitária.
Que atitudes tomar? O desprezo, o descuido e o abandono são atitudes negativas; o amor, a estima e prática fiel e eficaz são atitudes positivas. É fundamental rezar, à medida e semelhança de Cristo. Oração pessoal e comunitária, na intimidade ou em grupo, no trabalho ou no recolhimento. Homem sem oração é um animal sem razão, diz São Filipe de Néri.

Wednesday, October 9

Quarta-feira da Semana XXVII do Tempo Comum


Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2655

Reflexão
Apesar de pequenas variantes, a coincidência da oração do Senhor é básica e clara, nos Evangelhos de Mateus e de Lucas. A versão de Mateus (7 petições) era mais do uso litúrgico e habitual; a de Lucas (5 petições), reflecte, porventura, com mais fidelidade as palavras do Senhor.
O Pai-nosso é uma verdadeira síntese do Evangelho. Ao chamarmos todos a Deus por Pai entramos no círculo da família trinitária. No Abbá – Papá, culmina a história da oração de todos os tempos. Todos necessitamos descobrir no Pai-Nosso uma escola de oração e a sua verdadeira linguagem de filhos e de irmãos.

Tuesday, October 8

Terça-feira da Semana XXVII do Tempo Comum


Reflexão
A comunidade familiar de Betânia dá hospitalidade a Jesus. Marta desenvolve actividade desbordante sendo exemplo do activismo. Maria soube aproveitar a ocasião para escutar a Palavra, à qual pertence a primazia. Trabalho e oração podem andar juntos, pois não constituem nem oposição nem um dilema.
Marta e Maria representam para os crentes, duas atitudes complementares de busca e de acolhimento do Reino de Deus. Não se trata de alternativa. Ambas se complementam numa simbiose perfeita. Antes de falarmos ao mundo de Deus, falemos a Deus do mundo.

Friday, October 4

Memória litúrgica de São Francisco de Assis

São Francisco de Assis
Nasceu em Assis, no ano 1182. Depois de uma juventude leviana, converteu-se a Cristo, renunciou a todos os bens paternos e entregou se inteiramente a Deus. Abraçou a pobreza para seguir mais perfeitamente o exemplo de Cristo e pregava a todos o amor de Deus. Formou os seus companheiros com normas excelentes, inspiradas no Evangelho, que foram aprovadas pela Sé Apostólica. Fundou também uma Ordem de religiosas e uma Ordem Terceira para seculares; e promoveu a pregação da fé entre os infiéis. Morreu em 1226.  


Reflexão
O Livro de Baruc fala-nos dos sentimentos do povo de Deus durante o exílio. A sua humilde oração pode ser também a de nós todos, povo salvo, mas que continua pecador, oração que é um verdadeiro acto de contrição de quem sabe reconhecer que tudo o que sofre é consequência dos seus pecados. Este povo sente-se solidário na história passada feita de promessas divinas e de pecados do povo. O povo não correspondeu à generosidade de Deus, revoltou-se e desobedeceu e por isso, confessa as suas culpas e reconhece a inocência e a justiça de Deus.
Jesus chamava a atenção das cidades que não tinham prestado atenção à pregação dos seus enviados; e chama-nos a nós a escutarmos todos aqueles que nos fazem chegar a mesma mensagem de salvação. É a sua própria mensagem que nos chega através dos seus mensageiros. A condenação das três cidades deve ser entendida a vários níveis: Jesus sublinha que estas cidades não acolheram a Palavra pregada por Ele e o apelo à conversão; Jesus realça o abandono dos seus e dá-se conta da hostilidade do povo; Jesus prevê que o Evangelho ultrapasse as fronteiras da Galileia e que chegue a todos os povos, enquanto as cidades que ouviram a sua pregação permaneçam fechadas. Este evangelho é um aviso para todos aqueles que se excluem da graça do Senhor e caem na hipocrisia e na resistência.

Pensamento do dia: 04-10-2019

O que você tem a temer? Nada. Quem você precisa temer? Ninguém. Porquê? Porque aqueles que se unem a Deus obtêm três grandes privilégios: omnipotência sem poder, embriaguez sem vinho e vida sem morte. (São Francisco de Assis)

Thursday, October 3

Pensamento do dia: 03-10-2019

A música é o barulho que pensa. (Victor Hugo)

Quinta-feira da Semana XXVI do Tempo Comum


Reflexão
O anúncio do Reino de Deus e a paz vão unidos… muito embora se consigam apenas com denodados esforços.
Jesus dá conselhos práticos a todos aqueles que partem a missionar, a anunciar o Evangelho. A missionação é universal, é para todos os povos, e para o homem todo.

Tuesday, October 1

Memória litúrgica de Santa Teresa do Menino Jesus





Reflexão
Jesus começa o caminho que terminará na Ascensão. Os samaritanos recusam-se a receber Jesus. Este repreende os apóstolos por quererem convertê-los à força. A violência não é método a ser utilizado pelos homens do Reino, mas sim o amor, a compreensão, a tolerância, o respeito pela pessoa dos outros. Não pode haver intransigência nem fanatismo religioso. Ante a atitude justiceira dos apóstolos, Jesus prefere, mesmo nos dias que correm, o fogo do amor.

Thursday, September 26

Quinta-feira da Semana XXV do Tempo Comum

Reflexão
Herodes, perplexo pelo que ouvia dizer de Jesus, também perguntava por Ele. Frívolo e incrédulo, mas curioso e astuto, dissimula facilmente as suas intenções assassinas. No fundo, não aceita alguma das versões que corre entre o povo acerca de Jesus. Na paixão vai conhecê-lo.
Jesus, afinal era já o Messias esperado e anunciado pelos profetas. À luz da fé pascal, todas as dúvidas serão dissipadas. À sua categoria de Deus, Jesus acrescentava a plenitude de todos os valores humanos. Quem é Ele para nós, homens do terceiro milénio?

Wednesday, September 25

Quarta-feira da Semana XXV do Tempo Comum




Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2670

Reflexão
Evangelizar é a vocação própria da Igreja, e de todo o cristão. Toda a comunidade eclesial é, portanto missionária, sobretudo pela presença a pelo testemunho.
Jesus estabeleceu os condicionalismos do envio: um total desprendimento das coisas supérfluas. O envio é actual, mas faltam vocações. É indispensável suscitá-las, e, sobretudo uma disponibilidade total ao serviço do Reino.
Aos que pretendem acurralar a igreja na sacristia, Jesus responde com a acção milagrosa em favor dos corpos: curar todas as doenças. A evangelização deve ter em conta o homem todo, integral.

Monday, September 23

Segunda-feira da Semana XXV do Tempo Comum

Reflexão
Cristo é a luz destinada a iluminar os caminhos do mundo. Entretanto a sua Pessoa e mensagem passam por uma etapa de penumbra, até à manifestação plena. Também o seu discípulo deverá estar consciente de que ele também é luz. Mistério que não é privilégio de minoria de superdotados, pois está ao alcance de todos. Os membros do novo Povo de Deus. Os seus discípulos na fé e nas obras, herdaram de Cristo a sublime missão de ser luz para o mundo!

Friday, September 20

Memória litúrgica dos Santos André, Paulo e Companheiros da Coreia



Nota Histórica
No início do século XVII, por iniciativa de alguns leigos, entrou pela primeira vez a fé cristã na Coreia. Assim se formou uma comunidade forte e fervorosa, sem pastores, quase só conduzida por leigos, até ao ano 1836, durante o qual chegaram os primeiros missionários, vindos de França, que entraram furtivamente na região. Nas perseguições dos anos 1839, 1846 e 1866, surgiram desta comunidade 103 santos mártires, entre os quais se distinguem o primeiro presbítero e ardente pastor de almas André Kim Taegon e o insigne apóstolo leigo Paulo Chong Hasang. Os outros são quase todos leigos, homens e mulheres, casados ou não, anciãos, jovens e crianças, que, suportando o martírio, consagraram com o seu glorioso sangue os florescentes primórdios da Igreja coreana.


Reflexão
Neste texto exclusivo de Lucas, Jesus confere a um grupo de mulheres uma dignidade e um papel inédito no seu tempo; reconhece-lhes o direito de serem suas discípulas, escutando e conhecendo o Evangelho do Reino, associando-as à obra da evangelização, ao lado dos Doze.
A atitude de Jesus contrasta com a dos escribas do seu tempo e de todos os tempos, que não reconhecem à mulher, capacidade para compreender a Torá e, por isso mesmo, rabino algum tinha mulheres entre os seus discípulos. No Evangelho, porém, a mulher tem um lugar de destaque, a tal ponto que são elas que levam aos Apóstolos, a notícia da Ressurreição. Como seria bom meditar nesta dignidade da mulher e ser consequente com ela, mesmo na vida da Igreja!…

Thursday, September 19

Quinta-feira da Semana XXIV do Tempo Comum


Reflexão
Em casa de Simão estão frente a frente duas atitudes contraditórias; a humildade da pecadora, e o orgulho auto-suficiente de Simão. Jesus está do lado da pecadora, e perdoa-lhe todos os pecados, porque muito amou.

Wednesday, September 18

Quarta-feira da Semana XXIV do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2636

Reflexão
O mistério da piedade é a obra do Filho de Deus para salvar o mundo. São Paulo celebra esse mistério nesta passagem, que é um verdadeiro hino, onde se cantam os momentos principais dessa obra do Senhor, desde que Ele Se manifestou na carne, pela Encarnação, até que foi exaltado na glória, pela Morte e Ressurreição.
Com uma pequena parábola, Jesus censura a contradição dos que O não escutam, porque se julgam sempre com razões para se furtarem a escutar a palavra de Deus. As razões mais fúteis são sempre suficientes para pessoas fúteis, e acabam por denotar infantilidade de espírito.