Friday, September 20

Memória litúrgica dos Santos André, Paulo e Companheiros da Coreia



Nota Histórica
No início do século XVII, por iniciativa de alguns leigos, entrou pela primeira vez a fé cristã na Coreia. Assim se formou uma comunidade forte e fervorosa, sem pastores, quase só conduzida por leigos, até ao ano 1836, durante o qual chegaram os primeiros missionários, vindos de França, que entraram furtivamente na região. Nas perseguições dos anos 1839, 1846 e 1866, surgiram desta comunidade 103 santos mártires, entre os quais se distinguem o primeiro presbítero e ardente pastor de almas André Kim Taegon e o insigne apóstolo leigo Paulo Chong Hasang. Os outros são quase todos leigos, homens e mulheres, casados ou não, anciãos, jovens e crianças, que, suportando o martírio, consagraram com o seu glorioso sangue os florescentes primórdios da Igreja coreana.


Reflexão
Neste texto exclusivo de Lucas, Jesus confere a um grupo de mulheres uma dignidade e um papel inédito no seu tempo; reconhece-lhes o direito de serem suas discípulas, escutando e conhecendo o Evangelho do Reino, associando-as à obra da evangelização, ao lado dos Doze.
A atitude de Jesus contrasta com a dos escribas do seu tempo e de todos os tempos, que não reconhecem à mulher, capacidade para compreender a Torá e, por isso mesmo, rabino algum tinha mulheres entre os seus discípulos. No Evangelho, porém, a mulher tem um lugar de destaque, a tal ponto que são elas que levam aos Apóstolos, a notícia da Ressurreição. Como seria bom meditar nesta dignidade da mulher e ser consequente com ela, mesmo na vida da Igreja!…

Thursday, September 19

Quinta-feira da Semana XXIV do Tempo Comum


Reflexão
Em casa de Simão estão frente a frente duas atitudes contraditórias; a humildade da pecadora, e o orgulho auto-suficiente de Simão. Jesus está do lado da pecadora, e perdoa-lhe todos os pecados, porque muito amou.

Wednesday, September 18

Quarta-feira da Semana XXIV do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2636

Reflexão
O mistério da piedade é a obra do Filho de Deus para salvar o mundo. São Paulo celebra esse mistério nesta passagem, que é um verdadeiro hino, onde se cantam os momentos principais dessa obra do Senhor, desde que Ele Se manifestou na carne, pela Encarnação, até que foi exaltado na glória, pela Morte e Ressurreição.
Com uma pequena parábola, Jesus censura a contradição dos que O não escutam, porque se julgam sempre com razões para se furtarem a escutar a palavra de Deus. As razões mais fúteis são sempre suficientes para pessoas fúteis, e acabam por denotar infantilidade de espírito.

Tuesday, September 17

Terça-feira da Semana XXIV do Tempo Comum






Reflexão
Paulo fala a Timóteo das qualidades que o bispo deve ter para bem governar, servir e administrar a Igreja. Que o bispo seja marido de uma só mulher, se for casado não o seja em segundas núpcias. É o mesmo que se exigia à candidata ao grupo das viúvas: que tenha sido esposa de um só marido. Mas melhor seria se o bispo fosse celibatário, como o era Paulo. Estas são exigências feitas a quem quer que se dispusesse a exercer uma função de autoridade e de serviço na Igreja.
Jesus ressuscita um morto, como, no Antigo Testamento, o tinham feito Elias e Eliseu. Assim, Jesus Se manifesta grande profeta, como a multidão acaba por reconhecer. Na sua pessoa, Deus está presente no meio do seu povo, numa visita de salvação e, nesta ressurreição, Jesus adianta um sinal da sua futura ressurreição.

Friday, September 13

Sexta-feira da Semana XXIII do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2632

Reflexão
Ao encontrar a Cristo, Paulo fez um volte face à sua vida, dedicando-se a anunciar aquele que antes perseguia. O seu esforço é comparado ao dos atletas que correm no estádio.
Cristo exige dos cristãos uma coerência de vida, sobretudo naqueles que têm postos de comando. Condena toda a espécie de hipocrisia, venha ela de onde vier. Previne contra as traves que possamos ter na nossa vista, que possam impedir a recta visão dos actos dos nossos irmãos, colegas ou subordinados. Cegos que cairão no abismo, julgando os outros à maneira da sua cegueira, provocada pelas traves que têm na sua vista.


Thursday, September 12

Quinta-feira da Semana XXIII do Tempo Comum


Reflexão
O amor cristão deverá superar o espaço limitado do sangue, da família, dos amigos, para se abrir ao amor universal. A medida do amor é Cristo; é preciso romper a espiral do ódio e da violência. A medida do amor é amar sem medida!… O Cristão deve amar como Cristo amou. Exigente, sem dúvida, mas essa é a medida: uma boa medida, cheia, recalcada de amor universal.

Wednesday, September 11

Quarta-feira da Semana XXIII do Tempo Comum


Reflexão
Fomos chamados por Deus, até de entre o mundo pagão, e tornámo-nos membros do Corpo de Cristo pelo baptismo. Nele morremos e ressuscitámos com Cristo. Trazemos agora em nós a vida do Cristo celeste, a vida nova de Cristo ressuscitado, que se há-de manifestar em nós, membros do seu Corpo, na maneira como vamos vivendo sobre a terra.
O homem é feliz, quando olha para este mundo com os olhos de Deus; e infeliz, quando o aprecia com o coração egoísta e orgulhoso. É no coração que o homem é rico ou pobre. Como for o seu coração diante dos bens deste mundo, assim ele será feliz ou infeliz, de Deus ou contra Deus. É preciso saber amar e saber renunciar, para dar a cada coisa o seu justo valor. São Lucas resume as bem-aventuranças em quatro e apresenta também quatro maldições.

Tuesday, September 10

Terça-feira da Semana XXIII do Tempo Comum


Reflexão
A escolha dos doze Apóstolos como alicerce da sua Igreja, tem relação íntima com as doze tribos do povo de Deus, Israel.
Curioso o facto desta decisão importante ser tomada após uma noite de oração. Depois desce à planície e continua o seu ministério apostólico.
O título de apóstolo, que não foi exclusivo dos doze, é hoje atribuído a todo o cristão, na medida em que serve a missão evangelizadora da Igreja dos nossos dias.

Friday, August 9

Memória litúrgica de Santa Teresa Benedita da Cruz, Virgem e Mártir

Santa Teresa Benedita da Cruz
Celebramos hoje a Festa de uma das Padroeiras da Europa, Santa Teresa Benedita da Cruz. O seu nome era Edith Stein, filha de pais judaicos, nasceu em Breslau no dia 12 de Outubro de 1891. Tendo-se dedicado aos estudos filosóficos, empenhou-se perseverantemente na procura da verdade, até que encontrou a fé em Deus e se converteu à Igreja Católica. Foi baptizada no dia 1 de Janeiro de 1922. Desde então serviu a Deus na função de professora e escritora. Agregada às irmãs carmelitas em 1933 com o nome Teresa Benedita da Cruz por ela escolhida, dedicou a sua vida ao serviço do povo judaico e do povo alemão. Deixando a Alemanha por causa da perseguição aos Judeus, foi recebida a 31 de Dezembro de 1938 no convento das carmelitas de Echt (Holanda). No dia 2 de Agosto de 1942 foi presa pelas autoridades que exerciam o poder aterrador na Alemanha e enviada para o campo de concentração de Auschwitz-Birkenau (Polónia), destinado ao genocídio do povo judaico. Aí foi cruelmente morta no dia 9 de Agosto.   

Reflexão
O tempo da Igreja é um tempo de graça… Urge uma vigilância activa ao cumprir a missão recebida. A vigilância não é evasão. Se Deus pede contas, a melhor resposta há-de ser uma vida plena. Toda a vida tem um fim e um sentido. A Vida temporal termina na morte, mas a morte não é o fim da vida. Vigiai e orai, eis aqui a atitude de todo o que vive da esperança.

Thursday, August 8

Memória litúrgica de São Domingos, Presbítero

São Domingos
Nasceu em Caleruega (Espanha) cerca do ano 1170. Estudou Teologia em Palência e foi nomeado cónego da Igreja de Osma. Por meio da sua pregação e do exemplo da sua vida combateu com grande êxito a heresia dos Albigenses. Com os companheiros que aderiram a esta empresa fundou a Ordem dos Pregadores. Morreu em Bolonha no dia 6 de Agosto de 1221.


Reflexão
Jesus dirá: Se alguém tem sede, venha a Mim e beba. Ele é o verdadeiro rochedo donde brota a água viva. No tempo de Moisés, como sobretudo depois que Ele veio ao mundo feito homem, o Filho de Deus vem do Pai até nós como torrente de água viva que pode matar a sede a todos os que d’Ele se aproximam.
Quem é Jesus? Quem dizem os homens que Ele é? E, vós, quem dizeis que Eu sou? Antes de anunciar aos discípulos a sua morte, Jesus pede-lhes um acto de fé n’Ele. É Pedro quem o faz. A este acto de fé, em que Pedro declara: Tu és o Messias..., Jesus responde imediata e directamente: Tu és Pedro... A Igreja será edificada, como sobre uma rocha, sobre este acto de fé de Pedro.

Wednesday, August 7

Quarta-feira da Semana XVIII do Tempo Comum


Reflexão
A mulher cananeia, ou melhor siro-fenícia, insiste na exposição da sua necessidade urgente, a cura da sua filha. A insistência da Cananeia, a sua fé, fazem com que Jesus, fazendo um público elogio à sua fé, concede-lhe como ela deseja. Desta forma fica esclarecido que a fé é uma condição de acesso aos favores de Deus, e a salvação é universal. Nesta passagem estão presentes todos os problemas teológicos colocados à Igreja primitiva, isto é o universalíssimo da salvação, pois todos os pagãos também são herdeiros das promessas messiânicas.

Tuesday, August 6

Festa litúrgica da Transfiguração do Senhor


Reflexão
O Evangelho de hoje fala-nos da Transfiguração de Jesus. Ele leva consigo três de seus discípulos mais próximos: Pedro, Tiago e João e subiu ao monte, para orar. O monte é um lugar especial, de encontro entre Deus e o homem, lugar de manifestação de Deus: é lá que Ele se revela e faz aliança com o seu Povo. Nós também somos convidados a subir ao monte e a transfigurarmos com Ele, a nos encontrarmos com Ele na oração e na reflexão também neste tempo de descanso e de férias para muitos.
A mudança do rosto e as vestes brancas são um sinal da divindade de Jesus, Ele que é verdadeiro homem e verdadeiro Deus. A nuvem é símbolo da presença de Deus que conduz o seu Povo através do deserto.
Jesus conversa com Moisés e Elias, duas grandes figuras de Israel, que representam a Lei e os Profetas: Ele é o Messias esperado por todos os séculos, é a plenitude da Lei e dos Profetas. N’Ele completam-se todas as promessas do Antigo Testamento.
São Pedro gostando da companhia e do lugar de encontro disse a Jesus: Senhor, como é bom estarmos aqui! Se quiseres, farei três tendas: uma para Ti, outra para Moisés e outra para Elias. Jesus quer que os seus discípulos não fiquem constantemente iluminados, transfigurados e sempre com a presença física de Jesus, de Elias e de Moisés mas devem descer o monte Tabor e continuar a sua vida, ajudando a proclamar a Boa Nova a todos os irmãos. Jesus alerta-os que há muito trabalho para fazer e convida-nos a descer da montanha e a regressar para a realidade da vida, transformados, renovados e fortalecidos pela experiência da transfiguração, pela experiencia da oração porque a Sua Palavra chama, faz existir, cura, liberta, muda o coração, dá vigor à nossa vida.
O evangelista Lucas apresenta-nos a oração como alternativa ao stress, à agitação e à dispersão próprias do nosso tempo. Falar com Deus, dialogar com Ele, é a resposta eficaz e o caminho a seguir para a nossa transfiguração. Devemos perceber e estarmos conscientes de que a oração é iniciativa de Deus. No Tabor, Deus disse: Este é o meu Filho muito amado, escutai-o. Cada um de nós, pelo facto de ter a Deus consigo e de ser transfigurado à sua imagem divina, pode exclamar com alegria: É bom nós estarmos aqui, onde tudo irradia luz, felicidade e alegria, onde o coração é inundado de paz, serenidade e doçura. Rezemos para que estejamos sempre na companhia de Jesus e que transfiguremos a nossa vida com Ele.

Friday, August 2

Sexta-feira da Semana XVII do Tempo Comum


Reflexão
Jesus é repelido como profeta, até pelos seus conterrâneos. Não querem aceitar a novidade da Sua mensagem. Tal como predissera Simeão, é sinal de contradição. Também nos nossos dias. Os profetas da conversão são arautos da verdade pura e dura. Ele encontra hoje as mesmas dificuldades e a mesma falta de fé, entre aqueles que mantêm a filosofia dos escribas e dos fariseus e daqueles que O consideram ainda o filho do Carpinteiro, em antítese à sua filiação divina: o Verbo de Deus feito Homem.

Thursday, August 1

Memória litúrgica de Santo Afonso Maria de Ligório, bispo e doutor da Igreja


Santo Afonso Maria de Ligório, bispo e doutor da Igreja
Nasceu em Nápoles no ano 1696; obteve o doutorado em Direito Civil e Eclesiástico, recebeu a ordenação sacerdotal e fundou a Congregação do Santíssimo Redentor. Para fomentar entre o povo a vida cristã, dedicou-se à pregação e escreveu vários livros, sobretudo de teologia moral, matéria em que é considerado mestre insigne. Foi eleito bispo de Sant’Agata dei Goti, mas renunciou pouco depois ao cargo e morreu entre os seus, em Pagani, na Campânia, no ano 1787.

Reflexão das Leituras
Como a Moisés, Deus manifesta-se de diversos modos. O núcleo da parábola é a selecção desigual para justos e não justos, a inevitável presença de bons e maus, tanto no Reino de Deus, como no mundo e na Igreja. A visão de conjunto do Reino de Deus, pode-se concretizar em três pontos: a implantação do Reino de Deus não se faz sem dificuldades (parábola do semeador; acabará, no entanto, por triunfar (grão de mostarda e fermento); é necessário ter paciência e não precipitar o juízo de Deus (o joio e a rede).

Wednesday, July 31

Memória litúrgica de Santo Inácio de Loiola, Presbítero:


Santo Inácio de Loiola, Presbítero
Nasceu no ano 1491 em Loiola, na Cantábria (Espanha); seguiu primeiramente a vida da corte e a vida militar. Depois, consagrando-se totalmente ao Senhor, estudou teologia em Paris e aí reuniu os primeiros companheiros, com quem mais tarde fundou em Roma a Companhia de Jesus. Exerceu intensa actividade apostólica e, particularmente com os seus escritos e com a formação de discípulos, contribuiu grandemente para a reforma da vida cristã e para a renovação da acção missionária. Morreu em Roma no ano 1556.

Reflexão das Leituras
À falta de bancos e caixas fortes o dinheiro e as jóias eram escondidas debaixo da terra. Jesus acentua grande alegria pelo encontro desses tesouros, em função do descobrimento do Reino. Jesus acentua a enorme alegria pelo seu encontro. Os santos tudo sacrificam pelo seguimento do reino. Todos buscam um tesouro fabuloso. Mas primeiro está o Reino de Deus. A felicidade não está em ter, gastar, amontoar e consumir... mas certamente em partilhar o afecto, o dinheiro e o tempo com os outros.

Pensamento do dia: 31-07-2019

Não é o muito saber que sacia e satisfaz a alma, mas o sentir e saborear internamente as coisas (Santo Inácio de Loyola)

Tuesday, July 30

Terça-feira da Semana XVII do Tempo Comum


Reflexão
A parábola do trigo e do joio reflecte a leitura que dela fazia a primitiva comunidade cristã. Jesus explica quem é quem na parábola. A semente tem o seu processo; germina e frutifica, desde que haja respostas a Deus. A impaciência porém é uma tentação provocada pelo mundo materialista em que vivemos.

Monday, July 29

Festa litúrgica de Santa Marta, Santa Maria e São Lázaro





Reflexão
Marta é irmã de Maria e de Lázaro de Betânia. No evangelho aparece em apenas três episódios. É uma mulher dinâmica, que acolhe desveladamente Jesus. Maria, também aparece apenas três vezes em cena, nos evangelhos. É a mulher atenta e contemplativa, que dá mais atenção ao Senhor do que às coisas do Senhor. De Lázaro sabemos apenas o que dele se diz no evangelho de João. Os três são amigos e hospedeiros do Senhor.
Na hora da dor e sofrimento pela morte do irmão, Marta lamenta a ausência de Jesus, mostrando-se convencida de que não teria morrido se Ele estivesse presente. Jesus afiança que Lazaro vai ressuscitar, porque de facto, Ele, Jesus, é a Ressurreição e a Vida. Exige apenas fé. Pois todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá para sempre. Marta proclama então a sua fé. Acredita e espera. Às palavras de Jesus, Lázaro ressuscita.

Friday, July 19

Sexta-feira da Semana XV do Tempo Comum


Reflexão
A atitude de Jesus ante o sábado, mostra que uma lei positiva, pode ceder perante uma necessidade urgente. Jesus não nega a validez do sábado, senão que lhe veio dar plenitude, no domingo da ressurreição.
O domingo, em vez de ser o que por vezes parece - escravizante, - deverá passar a ser libertador. Urge voltar a humanizar o domingo, o Dia do Senhor.

Pensamento do dia: 19-07-2019

A oração é um colóquio com Deus, uma mútua comunicação na qual Ele diz interiormente à alma o que quer que saiba e faça e a alma fala com seu Deus o que Ele mesmo lhe inspira pedir. (São Vicente de Paulo)

Thursday, July 18

Memória litúrgica do Beato Bartolomeu dos Mártires, Bispo


Reflexão
Moisés recebe a revelação do Nome divino Eu sou, que corresponde ao nome de Iavé ou Javé (uma leitura inexacta desta palavra levou a lê-la também Jeová). Deus define-Se como Aquele que É, o Existente, mas que faz aliança com o seu povo. Toda a revelação futura não fará outra coisa senão desvendar, progressivamente, tudo quanto este nome divino encerra. Ele é um Deus pessoal, um Deus com Quem o homem pode dialogar. Deus revela-Se assim como Aquele que, sendo transcendente, estará sempre presente na vida do seu povo.
O Senhor Jesus apresenta-Se a todos os que sofrem, esmagados sob o peso de todos os fardos, como Aquele que pode dar o alívio, a paz e o repouso. Assim, Jesus realiza em Si a figura com que, já no Antigo Testamento, a Sabedoria convidava todos os que a escutavam a virem procurar em si a força e a alegria.

Pensamento do dia: 18-07-2019

Todas as nossas palavras serão inúteis se não brotarem do fundo do coração. As palavras que não dão luz aumentam a escuridão. (Santa Teresa de Calcutá)

Wednesday, July 17

Memória litúrgica dos Beatos Inácio de Azevedo e Companheiros


Beato Inácio de Azevedo e Companheiros
Inácio de Azevedo nasceu no Porto, de família ilustre, em 1526 ou 1527; entrou na Companhia de Jesus em 1548 e foi ordenado sacerdote em 1553. Mais tarde partiu para o Brasil, a fim de se consagrar ao apostolado missionário. Tendo voltado à pátria, conseguiu recrutar numerosos colaboradores para a sua obra evangelizadora e empreendeu a viagem de regresso; mas, interceptados ao largo das ilhas Canárias pelos corsários anticatólicos, ali sofreu o martírio no dia 15 de Julho de 1570; os trinta e nove companheiros que iam na mesma nau foram também martirizados no mesmo dia.

Reflexão
Os simples compreendem melhor a Jesus. Que contraste entre os sábios e poderosos e os pobres e humildes. Deus manifestou-se na Pessoa e obras de Jesus, mas só os simples de coração é que O entendem. Unidos, fé e ciência, seriam a situação ideal para conhecer e amar a Deus. A Deus chega-se melhor de joelhos do que estendendo a mão!

Pensamento do dia: 17-07-2019

Se a meta principal de um capitão fosse preservar seu barco, ele o conservaria no porto para sempre. (São Tomás de Aquino)

Tuesday, July 16

Memória litúrgica de Nossa Senhora do Carmo

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2562

Reflexão
O texto de hoje aponta para a exclusão de quantos, interpelados por Deus, se negam a escutá-Lo. O seu juízo será pior do que o das cidades pagãs. Os milagres de Cristo são prova e sinal do Reino e da Salvação. Recusar esses sinais, é recusar a Deus e o seu Reino. É preciso uma conversão em profundidade, para que seja possível a mudança de estruturas na família e na sociedade.

Monday, July 15

Memória litúrgica de São Boaventura, bispo e doutor da Igreja


Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2561

São Boaventura
Nasceu aproximadamente no ano 1218 em Bagnoregio, na Etrúria; estudou filosofia e teologia em Paris e a seguir ensinou as mesmas disciplinas, com grande aproveitamento, aos seus irmãos da Ordem dos Frades Menores. Foi eleito Ministro Geral da sua Ordem, cargo que exerceu com prudência e sabedoria. Foi nomeado cardeal bispo de Albano e morreu em Lião no ano 1274. Escreveu muitas obras filosóficas e teológicas.

Reflexão
O Livro do Êxodo dá continuidade ao do Génesis, e descreve a situação dos israelitas no Egipto e a sua saída desse país, para eles terra de escravidão. Êxodo significa precisamente saída. É um livro de interesse excepcional na história do povo de Deus. Todo ele está impregnado da grande profissão de fé no Senhor, Deus único, que fez sair Israel do Egipto. Esta libertação do povo de Deus do país da escravidão, é a figura antecipada e anunciadora da futura Páscoa de Jesus Cristo, libertadora do povo que Deus veio a congregar na sua Igreja.
Cristo é, no mundo, sinal de contradição, como já o anunciara o velho Simeão. Os critérios do reino não se compadecem com a estreiteza dos nossos limites humanos. Ele vem trazer a paz, mas muitos, que não compreenderão essa sua missão, at
é por causa d’Ele se hão-de envolver em guerra e perseguir quem O quisera seguir.

Friday, July 12

Pensamento do dia: 12-07-2019

Se eu criar com o coração, quase tudo funciona, mas, se criar com a cabeça, quase nada. (Marc Chagall)

Sexta-feira da Semana XIV do Tempo Comum


Reflexão
Por fim, também o próprio Jacob, o pai de José, desce ao Egipto. A cena é apresentada quase como uma experiência de exílio total, mas já na perspectiva do futuro êxodo pascal, onde brilhará, de maneira única, a força e o poder do braço de Deus libertador. O Senhor renova as suas promessas a Jacob; estará com o povo no Egipto, e estará com ele também no êxodo futuro. Imenso horizonte se desenha diante dos olhos do velho patriarca, que, depois de voltar a ver o filho que julgara perdido, pode finalmente terminar em paz a sua carreira.
Jesus dá algumas instruções aos Apóstolos em ordem à sua actividade missionária, põe-os de sobreaviso em relação às perseguições futuras que virão a sofrer, como Ele as havia de sofrer também. Mas promete-lhes a sua presença junto deles até ao fim, depois de lhes fazer compreender que o testemunho que eles derem é já antecipação do último juízo de Deus. Não foi fácil a missão dos Apóstolos, como ainda hoje o não é a da Igreja. A palavra de Deus desencadeia sempre, ao lado do bom acolhimento de alguns, a indiferença, a irritação e até a perseguição de muitos. Porque será o homem tão obstinado em relação à palavra da salvação, quando é tão aberto a todas as demais palavras, por vezes tão sem sentido?

Thursday, July 11

Festa litúrgica de São Bento, Abade e Padroeiro da Europa


Reflexão
Muitos exilados dos países de miséria admiram o nível de vida dos países ricos. Os Israelitas tiveram a mesma experiência. Mas todo o mundo deve saber que o terreno é caduco e efémero, pois a verdadeira riqueza consiste na possessão de Deus.
Os ricos fracassados ocupam o coração com os desejos materiais, sem deixar lugar para Deus. Mas as riquezas podem ser bênção de Deus, ou um grave perigo contra o amor devido a Deus.
São Bento, o grande cantor da Liturgia das Horas e Padroeiro da Europa, abriu novos horizontes ao verdadeiro sentido da riqueza ao serviço do Reino de Deus.

Wednesday, July 10

Quarta-feira da Semana XIV do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2557

Reflexão
O excerto do Evangelho de hoje é o segundo dos cinco grandes discursos de Jesus, que constituem a espinha dorsal de Mateus. Cristo, novo Moisés, legislador e introdutor do Reino, é também o Fundador do novo Israel de Deus que é a Igreja. Como característica essencial deste novo Povo, Cristo deixa-lhe a missão de evangelizar. Primeiro para as ovelhas perdidas da casa de Israel, no contexto judaico e, depois do Pentecostes, a todos os povos. O conteúdo essencial da sua pregação é que o Reino de Deus está próximo.

Tuesday, July 9

Terça-feira da Semana XIV do Tempo Comum


Reflexão
As duas imagens bíblicas ovelhas e seara remontam ao Antigo Testamento e Jesus usa-as para exprimir o que sente por aquela gente. As ovelhas sem pastor são o Povo Israelita disperso, sem unidade e sem guias espirituais. Jeremias e Ezequiel anunciaram que o Senhor se converteria em Pastor do seu rebanho.
São necessários evangelizadores. A messe aí está, mas precisa de trabalhadores, pois os que estamos, somos poucos. A nova Evangelização é um compromisso global da Comunidade cristã. Urge passar de uma pastoral de conservação e cristandade a uma pastoral de vanguarda, que entende a Igreja em permanente estado de missão. Urge criar novas formas de presença e, sobretudo, de testemunho evangélico no mundo.

Friday, July 5

Pensamento do dia: 05-07-2019

Quem é feliz não repara nas horas que passam. (Alexander Griboledov)

Sexta-feira da Semana XIII do Tempo Comum


Reflexão
A história dos patriarcas da Antiga Aliança é a história da fidelidade de Deus para com o seu povo, ao mesmo tempo que mostra como esses patriarcas testemunham a sua fé em Deus, ao serem fiéis a essa Aliança. É assim que Abraão manda procurar uma esposa para o seu filho à terra da sua origem; mas que seja ela a vir para a Terra Prometida, pois que é essa a Terra onde Deus prometeu realizar as suas promessas. É preciso ir ao encontro de Deus, para que o Deus fiel seja acolhido pela fidelidade do homem.
A misericórdia de Deus é a grande revelação que Jesus nos veio fazer. Mas é certamente esta a revelação que temos maior dificuldade em compreender. Por isso, o ser misericordiosos é também a atitude que temos mais dificuldade em manifestar para com os nossos irmãos. Somos mais facilmente justiceiros do que misericordiosos. Por isso, somos tão pouco cristãos!

Thursday, July 4

Memória litúrgica de Santa Isabel de Portugal

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2552

Reflexão
Pela fé, Abraão posto à prova ofereceu Isaac, seu filho único, que havia recebido as promessas. Pensava ele que Deus era até capaz de ressuscitar alguém de entre os mortos; e assim ele recobrou o filho, como figura das realidades futuras (Hebr 11, 17-19). O sacrifício de Abraão prefigura o sacrifício da Cruz, donde surge a ressurreição.
Ao mesmo tempo que revela o seu poder sobre as próprias leis da natureza, Jesus mostra que também tem o poder de perdoar os pecados. E é sempre em seu nome que a Igreja os continuará a perdoar, ela que é o sacramento universal da salvação, como disse o Concílio, que torna presente, no meio dos homens, a obra da salvação realizada pelo Senhor.


Tuesday, July 2

Pensamento do dia: 02-07-2019

Não adianta nada ficar lamentando os males, é preciso arregaçar as mangas e dar de tudo para eliminá-los. (São João Bosco)

Terça-feira da Semana XIII do Tempo Comum


Reflexão
São normais as tempestades fortes naquele mar. Jesus parece dormir! Os discípulos, principiantes na fé em Jesus, acordam-no, suplicando que os salve. Uma vez amainado o mar, interrogam-se sobre a identidade deste homem a quem até os ventos e o mar obedecem! As tempestades são muitas, no mar da vida! Deus parece dormir, parece estar ausente! Mas afinal, quem é que está a dormir? Quem é que está ausente? A fé dos discípulos era mesmo principiante. A fé adulta supõe uma confiança incondicional e absolutamente sem limites! Esta deve ser a nossa.

Monday, July 1

Pensamento do dia: 01-07-2019

O nosso maior prazer neste mundo são os pensamentos agradáveis. (Michel de Montaigne)

Segunda-feira da Semana XIII do Tempo Comum


Reflexão
A célebre visita de Deus a Abraão é acompanhada das maiores promessas e revelações da parte de Deus e das mais belas atitudes de coração da parte de Abraão. Deus revela-Se amigo dos homens, como, de maneira especial, gostam de Lhe chamar os cristãos da Igreja oriental, fiel à sua aliança, clemente e pronto a atender a súplica de quem O invoca, e a perdoar os pecados dos homens. Abraão continua a ser o homem cheio de fé, hospitaleiro, amigo dos pecadores, para quem implora o perdão de Deus.
Os caminhos de Deus não se podem descobrir pela nossa imaginação ou pelos nossos caprichos, mais ou menos bem intencionados. Eles revelam-se nos caminhos da própria vida, trilhados com rectidão. É por aí que o Senhor nos conduz e nos estimula a avançarmos. E, no fim de tudo, um só é o ideal do discípulo de Cristo: segui-l’O pois que Ele disse de Si mesmo: Eu sou o Caminho.

Friday, June 28

Solenidade do Sagrado Coração de Jesus


Reflexão
Deus revela-se ao seu Povo sob a imagem do Bom Pastor, pondo de realce todo o amor que lhe dedica. Ao aplicar a si mesmo a mesma figura, Jesus proclama-se o Pastor divino e Libertador do seu Povo. Apesar das nossas misérias e pecados, Deus dá-Se-nos como graça em Jesus Cristo. Jesus morreu e ressuscitou para nos reconciliar com o Pai e para nos dar a vida divina. A todos e a cada um, seja justo ou pecador. O pecador é procurado, convidado e perseguido pelo amor de Deus. No fim da caminhada de pecado, luta e dor, está sempre o Senhor de braços abertos para o pecador que se arrepende! O culto à humanidade de Cristo e ao seu Coração, ajuda a despertar uma consciência mais viva do mistério do amor de Cristo.

Wednesday, June 26

Pensamento do dia: 26-06-2019

O desgosto e a alegria dependem mais do que somos do que daquilo que nos acontece. (Multatuli)

Quarta-feira da Semana XII do Tempo Comum


Reflexão
Tal como as árvores pelos seus frutos, é pelas obras que se conhecem os homens, bons ou maus. Quão diferente o seu destino?! É no coração que radica a bondade e a maldade dos homens! Por isso urge interiorização e qualidade nas nossas obras.

Tuesday, June 25

Terça-feira da Semana XII do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2544

Reflexão
Temos três sentenças de Jesus: não profanar as coisas santas; o amor ao próximo resume a Lei e os Profetas; Cristo é a porta da vida. O caminho da cruz leva à porta estreita. Entrar pela porta estreita é produzir frutos de boas obras. Significa também um chamamento a seguir Cristo sofredor, mediante a conversão pessoal e comunitária. A santidade é a vocação comum, ainda que por diversos caminhos! É vocação universal! Como? Amar, amar, amar sempre!

Friday, June 14

Sexta-feira da Semana X do Tempo Comum


Reflexão
Ao falar de adultério, Jesus afirma a plena fidelidade conjugal no amor. Não só é imoral o adultério consumado, mas também o desejo, o adultério do coração. O desejo equivale à acção.
Jesus afirma ainda a indissolubilidade do vínculo matrimonial, remetendo-o à ordem estabelecida pelo Criador.
O amor vai muito mais além dos limites da letra da lei. É opção fundamental por Deus e pelo seu Reino.

Thursday, June 13

Pensamento do dia: 13-06-2019

A fé se compara ao peixe. Assim como o peixe é batido pelas frequentes ondas do mar, sem que morra com isso, também a fé não se quebra com as adversidades. (Santo António de Lisboa)

Festa de Santo António, Presbítero e Doutor da Igreja

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=442

Reflexão
Santo António nasce em Lisboa, em 1193, de família nobre, e é baptizado com o nome de Fernando. Passa pelo trajecto duma vida monástica à vida medicante, como franciscano. Uma viagem atribulada a Pádua, onde desenvolve um fecundo apostolado pela palavra anunciada e escrita. Santo António é modelo de homens e de santos! Foi um atento observador dos males sociais do seu tempo; lutou pela libertação dos proletários e miseráveis; colocou os dotes de taumaturgo ao serviço dos pobres do Reino de Deus. Como sal da terra e luz do mundo, ilumina os seus irmãos e preserva-os da corrupção do erro. Resta assimilar a sua mensagem, quando estamos a festejá-lo. Com a sua morte em 13/06/1231 começou a sua glória através dos séculos.

Wednesday, June 12

Pensamento do dia: 12-06-2019

A maior necessidade deste mundo é de confiança e amor. (André Gide)

Quarta-feira da Semana X do Tempo Comum


Reflexão
Em Cristo toda a Lei e os Profetas têm pleno cumprimento. São a plenitude da Lei. Ele não veio revogar mas aperfeiçoar, levar à perfeição que se cumpre na Nova Aliança, no mistério pascal de Cristo.
A justificação plena vem-nos pela fé em Jesus Cristo, tal como sempre defendeu São Paulo, não bastando a mediação da Lei. É preciso, portanto, a comunhão com Deus mediante a fé no seu Filho, Jesus Cristo, para se atingir a justificação plena.

Tuesday, June 11

Memória litúrgica de São Barnabé, Apóstolo

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=409

São Barnabé, Apóstolo
São Barnabé era natural da ilha de Chipre e foi um dos primeiros fiéis de Jerusalém. Pregou o Evangelho em Antioquia e acompanhou São Paulo na sua primeira viagem apostólica. Interveio no Concílio de Jerusalém. Voltou à sua pátria, onde pregou o Evangelho; e aí morreu.

Friday, June 7

Sexta-feira da Semana VII do Tempo Pascal

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2528

Reflexão
Jesus confere a Pedro uma autêntica investidura pastoral e pré-anuncia-lhe um destino de martírio. O ministério de Pedro é o primado do serviço e do amor, na Igreja de Cristo. Ao examiná-lo sobre o amor, Jesus faz ver que a autoridade que lhe confere é para o serviço, no amor aos irmãos.

Thursday, June 6

Pensamento do dia: 06-06-2019

Um homem sábio aprende mais com uma pergunta idiota do que um idiota aprende com uma resposta sábia. (Bruce Lee)

Quinta-feira da Semana VII do Tempo Pascal

Jesus reza pela futura comunidade cristã, em união com os apóstolos. A sua unidade será o sinal perante o mundo de que Jesus é o Messias, o Enviado do Pai. A sua comunhão com o Pai é, por isso, o modelo e fonte de toda a comunidade eclesial. A fraternidade dos seus discípulos dará ao mundo as razões de que precisa para viver. É muito mais o que nos une do que nos separa, embora haja diferenças.

Wednesday, June 5

Pensamento do dia: 05-06-2019

Os primeiros quarenta anos de vida dão-nos o texto; os trinta seguintes, o comentário. (Artur Schopenhauer)

Memória litúrgica de São Bonifácio


Reflexão
Consagra-nos na Verdade: antes de Se ausentar, Jesus intercede pelos Seus amigos, diante do Pai; promete-lhes o Espírito Santo, que será a Sua presença permanente entre eles; agora pede ao Pai que os consagre na Verdade, como Ele próprio Se consagrou por eles. Estamos no meio do mundo: o mundo é o reino da mentira, e os discípulos precisam de estar unidos pelo amor, como Cristo com o Pai e o Espírito; com esse amor, hão-de vencer o ódio do mundo, apesar da tensão inevitável; na mente evangélica de João, o mundo é tudo aquilo que se contrapõe a Cristo e aos Seus amigos. Para dar testemunho da Verdade: a Verdade que é Cristo, centra-se no amor; o amor, que é a nova vida com Cristo escondida em Deus, terá que ser vivido numa atitude de consagração.

Tuesday, June 4

Terça-feira da Semana VII do Tempo Pascal


Reflexão
A oração sacerdotal: o clima das duas leituras é de despedida; o Capítulo 17 de São João é um dos mais sublimes de todo o Evangelho; desde o século V, esta oração é chamada sacerdotal, por se ver nela a consagração do Filho ao Pai. Necessitamos de rezar com Jesus: a oração de Jesus é um convite à participação dos apóstolos e da Igreja futura; a crise generalizada de oração nos nossos dias; precisamos de rezar, rezar sempre e com mais intensidade; com mais fé e confiança; a sós e em comunidade; levando a oração à vida e a vida à oração.

Friday, May 31

Festa da Visitação da Nossa Senhora


Reflexão
Maria partilha com Isabel a alegria das maravilhas operadas por Deus. O Magnificat é expressão solene da esperança de libertação do povo. O Magnificat da Igreja Peregrina é grito de louvor ao Senhor, em nome dos que acreditam; é a voz dos pobres e oprimidos, exigindo justiça; é a maldição dos ricos e poderosos, que tudo submetem ao império do seu egoísmo.

Thursday, May 30

Pensamento do dia: 30-05-2019

É viva a Palavra quando são as obras que falam. (Santo António de Lisboa)

Quinta-feira da Semana VI do Tempo Pascal

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2524

Reflexão
Jesus anuncia a sua eminente partida e o seu regresso, dizendo um até logo. Por isso a tristeza vai converter-se em júbilo. Assim é o caminho da fé: momentos de luz alternam-se com outros de sombra.
Viver na fé é viver na penumbra. Cristo caminha disfarçado entre nós. O Espírito da Verdade é também o Espírito da alegria profunda dos crentes. O Espírito do Senhor ressuscitado vive em nós, como fonte perene da alegria.

Wednesday, May 29

Pensamento do dia: 29-05-2019

Aprenda como se você fosse viver para sempre. Viva como se você fosse morrer amanhã. (Santo Isidoro de Sevilha)

Quarta-feira da Semana VI do Tempo Pascal


Reflexão
O Espírito Santo não veio revelar verdades novas, senão somente confirmar a verdade de Jesus. Ele guiará para a Verdade total no sentido quantitativo e qualitativo. Essa é a tarefa perene do Espírito na Comunidade eclesial.
A Igreja é a Comunidade do Espírito Santo. Ele acompanha-a sempre na ausência física de Jesus; recorda-lhe as suas palavras e dá testemunho d'Ele; julga as injustiças do mundo e guia os discípulos de Cristo para a Verdade total; num mundo vazio de Espírito, a Igreja é o seu espaço natural de acção entre os homens.

Tuesday, May 28

Pensamento do dia: 28-05-2019

Nós vivemos uma vez somente e, como consequência, é necessário dar a esta vida um grande valor. (São Maximiliano Kolbe)

Terça-feira da Semana VI do Tempo Pascal


Reflexão
Deus tem os seus planos sobre o mundo. Não estaremos sós, apesar da tristeza que invade o coração dos discípulos; Jesus estabelece um novo tipo de presença; pelo caminho paradoxal do fracasso, Jesus ressuscitado confirmará a fé dos discípulos; Ele parte, mas o Espírito fa-Lo-á presente entre os seus, sobretudo no momento da perseguição.
A presença de Cristo na sua Igreja é o culminar do processo da vida de Jesus; Ela é julgada com Jesus, no foro deste mundo; Mas o Pai reabilita-a, graças à intervenção do Espírito que põe claro o pecado deste mundo.
Graças ao Dom do Espírito Santo: graças a Ele, Jesus ressuscitado está vivo e operante na nossa vida pessoal e no coração da comunidade; Ele manifesta-se na nossa abertura à vida, ao amor, à paz e ao perdão fraterno; O Espírito Consolador é o melhor antídoto contra a tristeza deste mundo.

Monday, May 27

Pensamento do dia: 27-05-2019

O querer e o poder, se divididos são nada, junto e unidos são tudo. (Pe Antonio Vieira)

Segunda-feira da Semana VI do Tempo Pascal

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2521

Reflexão
Começamos hoje a ler nos Actos dos Apóstolos a expansão missionária do Evangelho na Europa. Paulo passa da Ásia à Grécia. Começam a ouvir-se os nomes clássicos, de nós conhecidos pelos livros da antiga cultura grega. Esses antigos impérios estão em declínio. A sabedoria humana não chega para levar os homens ao conhecimento de Deus. Aparece agora a loucura da Cruz. E é uma mulher simples, negociante de púrpura, que escuta Paulo no meio de um grupo à beira de um rio, a primeira a quem o Senhor abre o coração à fé. Será a primeira cristã da Europa?
O Espírito Santo dará aos discípulos a compreensão profunda do mistério de Cristo, e a pregação deles a sua força e a sua verdade. Apesar disso, eles hão-de ser perseguidos. Mas a Ressurreição há-de fazer-lhes compreender o sentido dos acontecimentos da vida terrestre de Jesus, e consequentemente também o das suas próprias vidas.

Friday, May 24

Sexta-feira da Semana V do Tempo Pascal

Liturgia da Palavra - https://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=2519

Reflexão
Um Novo Mandamento: A amizade de Jesus aos Seus discípulos, é forja de amor fraterno; Trata-se dum novo mandamento cuja medida é o próprio Cristo; O amor fraterno, sinal externo de identificação dos Seus discípulos.
Amai-vos como Eu vos amei: É um desejo-mandato do próprio Cristo; Porquê?!... Porque nos amou primeiro; Porque morreu pelos amigos, que somos todos nós; E Jesus não nos quer servos, mas amigos, filhos.
A Fraternidade como vocação e meta: amor, obediência e amizade são a expressão da comunhão de Jesus com os Seus; O amor mútuo dos Seus seguidores, tem como fruto o martírio; O amor de Deus é para todos sem discriminação; O amor principia e termina em Deus, passando pelo irmão. É um amor em estado de missão!

Thursday, May 23

Quinta-feira da Semana V do Tempo Pascal


Reflexão
A ideia central do Evangelho de hoje é a união permanente do discípulo com Jesus, mediante o amor que se prova na obediência da fé.
Amor e vida, duas realidades equivalentes no Evangelho de João. A permanência no amor de Cristo exige o cumprimento dos Seus mandamentos.
Jesus é Senhor da alegria, graças ao amor e fidelidade que Ele manifesta ao Pai. Faz falta ao mundo uma Igreja portadora da alegria pascal de Cristo, que saiba rir, porque ama, que saiba cantar, porque é fiel. A obediência no amor gera a alegria. O amor chora com os que choram e alegra-se com os que se alegram. A plenitude da alegria do cristão está em testemunhar na vida o pleno gozo pascal.

Wednesday, May 22

Quarta-feira da Semana V do Tempo Pascal


Reflexão
Grande dificuldade, na Igreja primitiva, foi a passagem do Antigo ao Novo Testamento, do judaísmo para o cristianismo. A novidade do cristianismo não era facilmente aceite pelos judeus tradicionalistas. Era a consequência de se confundir o espírito com a letra. A lei de Moisés era o guia para Cristo, e não a palavra definitiva. Para encontrar uma solução para tal questão, reúne-se em Jerusalém um concílio.
A comparação entre o povo de Deus e a vinha é tradicional na Sagrada Escritura. Mas aqui é o próprio Jesus que Se apresenta como a videira, e aos seus discípulos como as varas da mesma. Tal comparação sublinha a identidade de vida, que, procedendo de Jesus, vivifica os membros da sua Igreja. Não se trata apenas de união exterior, mas de comunhão de vida que d’Ele nos vem.

Tuesday, May 21

Terça-feira da Semana V do Tempo Pascal

Reflexão
Dou-vos a minha Paz: A paz como o conjunto dos bens messiânicos; A paz de Deus e a paz dos homens... que diferença?!; Glorificação do final de Jesus.
Os Mensageiros da Paz: O exemplo de Cristo e dos Apóstolos; A Igreja é quem envia sob o impulso do Espírito Santo; Anunciar a paz é fazer a paz; O Testemunho até ao sangue é a bagagem de todo o verdadeiro apóstolo.
Felizes os construtores da Paz: A paz de Deus nasce no coração e é fruto da comunhão com Ele; Da paz brota a unidade e a partilha com os irmãos; A paz é o dom mais precioso que Deus pode conceder aos homens! O mundo de hoje é todo ele um grito pela paz... Haja paz e nunca mais a guerra!